Missão de turismo da SpaceX chega à Estação Espacial Internacional


Uma cápsula da SpaceX transportando três clientes e um ex-astronauta da Nasa chegou à Estação Espacial Internacional, terminando a primeira etapa desta missão inédita que durará cerca de 10 dias.

A missão foi lançada do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, na manhã de sexta-feira (8). A espaçonave, que se separou do foguete depois de atingir a órbita, passou cerca de 20 horas voando livremente pela órbita enquanto se aproximava da EEI.

A viagem foi intermediada pela startup Axiom Space, com sede em Houston, Texas, que procura reservar passeios de foguete, fornecer todo o treinamento necessário e coordenar voos para a EEI para quem puder pagar. Está tudo de acordo com o objetivo do governo dos EUA e do setor privado de aumentar a atividade comercial na EEI e além.

A bordo desta missão, chamada AX-1, estão Michael Lopez-Alegría um ex-astronauta da Nasa que se tornou funcionário da Axiom, que está comandando a missão; o empresário israelense Eytan Stibbe; o investidor canadense Mark Pathy; e o magnata imobiliário Larry Connor, com sede em Ohio.

Depois de chegar à EEI a bordo de sua espaçonave SpaceX Crew Dragon, eles se juntaram a sete astronautas profissionais já a bordo da estação espacial – incluindo três astronautas da Nasa, um astronauta alemão e três cosmonautas russos.

Não é a primeira vez que clientes pagantes ou não astronautas visitam a EEI, já que a Rússia vendeu assentos em sua espaçonave Soyuz para vários caçadores de emoções ricos nos anos anteriores. Mas esta é a primeira missão que inclui uma tripulação inteiramente composta por cidadãos sem membros ativos de um corpo de astronautas do governo.

É também a primeira vez que cidadãos particulares viajam para a EEI em uma espaçonave fabricada nos EUA.

Aqui está tudo o que você precisa saber.

Quanto tudo isto custou?

A Axiom revelou anteriormente um preço de 55 milhões de dólares por lugar para uma viagem de 10 dias à EEI, mas a empresa recusou-se a comentar as condições financeiras para esta missão específica – para além de dizer numa conferência de imprensa no ano passado que o preço está nas “dezenas de milhões”.

A missão é possibilitada por uma coordenação muito estreita entre a Axiom, a SpaceX e a Nasa, uma vez que a EEI é financiada e operada pelo governo. E a agência espacial revelou alguns detalhes sobre quanto cobrará pela utilização do seu laboratório de órbita com 20 anos de idade.

Só a alimentação custa 2.000 dólares por dia, por pessoa, no espaço. A obtenção de provisões de e para a estação espacial para uma tripulação comercial custa outros $88.000 a $164.000 por pessoa, por dia. Para cada missão, trazer o apoio necessário dos astronautas da Nasa custará aos clientes comerciais mais $5,2 milhões, e todo o apoio e planejamento da missão que a Nasa empresta é de mais $4,8 milhões.

Quem está voando?

Lopez-Alegría, um veterano de quatro viagens ao espaço entre 1995 e 2007 durante o seu tempo na Nasa, comanda esta missão como funcionário da Axiom.

Da esquerda para a direita, Larry Connor, Mark Pathy, Michael López-Alegría, e Eytan Stibbe. / Chris Gunn/Axiom Space

É seguro ir para a Estação, dado conflito com a Rússia?

A Rússia é o principal parceiro dos Estados Unidos na EEI, e a estação espacial há muito que é aclamada como um símbolo da cooperação pós Guerra Fria.

As relações EUA-Rússia no terreno, no entanto, atingiram um pico de febre no meio da invasão russa da Ucrânia. Os Estados Unidos e os seus aliados aplicaram pesadas sanções à Rússia, e o país retaliou de inúmeras formas, inclusive recusando-se a vender motores de foguetes russos a empresas americanas.

O chefe da agência espacial russa, Roscosmos, levou até aos meios de comunicação social para ameaçar retirar-se do acordo EEI.

Apesar de toda esta confusão, a Nasa tem repetidamente procurado assegurar que, nos bastidores, a agência e as suas congêneres russas estão trabalhando em conjunto sem problemas.

“A NASA está ciente dos recentes comentários relativos à Estação Espacial Internacional. As sanções dos EUA e as medidas de controle das exportações continuam permitindo a cooperação espacial civil EUA-Rússia na estação espacial”, disse o Administrador da Nasa, Bill Nelson, numa declaração recente.

“A relação profissional entre os nossos parceiros internacionais, astronautas e cosmonautas continua para a segurança e missão de todos a bordo da EEI”.

São astronautas ou turistas?

Esta é uma questão que está sendo estudada na comunidade dos voos espaciais neste momento.

O governo dos EUA tem tradicionalmente concedido asas de astronauta a qualquer pessoa que viaje mais de 50 milhas acima da superfície da Terra. Mas as asas de astronautas comerciais – uma designação relativamente nova, atribuída pela Administração Federal da Aviação (AFA) – podem não ser distribuídas de forma tão liberal.

No ano passado, a AFA decidiu terminar todo o programa Asas de Astronauta do Espaço Comercial em 1 de janeiro de 2022. Agora, a Afa planeia simplesmente listar os nomes de todos os que voam acima do limiar das 50 milhas em um website.

Se ainda é justo referir-se a pessoas que pagam o seu caminho para o espaço como “astronautas” é uma questão em aberto, e inúmeros observadores – incluindo astronautas da Nasa – já pesaram.

Nem todos estão demasiado preocupados com as palavras minuciosas.

“Se está sentando em um foguete, penso que isso vale alguma coisa”, disse o antigo astronauta da Nasa Terry Virts à National Geographic quando questionado sobre o assunto. “Quando eu era piloto de F-16, não senti ciúmes por os pilotos de Cessna serem chamados de pilotos. Penso que todos vão saber se pagou para ser um passageiro em um voo suborbital de cinco minutos ou se é o comandante de um veículo espacial interplanetário. Essas são duas coisas diferentes.”

Se perguntar à tripulação do AX-1, eles não gostam de ser referidos como “turistas”.

“Esta missão é muito diferente do que possa ter ouvido falar em algumas das recentes – especialmente suborbitais – missões. Não somos turistas espaciais”, disse Lopez-Alegría aos repórteres no início deste mês, referindo-se aos breves voos supersônicos realizados pela companhia Blue Origin de Jeff Bezos.

“Penso que há um papel importante para o turismo espacial, mas não é disso que se trata a Axiom”.

A tripulação foi submetida a uma extensa formação para esta missão, assumindo muitas das mesmas tarefas que os astronautas profissionais em formação. Mas o fato é que os três clientes pagantes deste voo – Stibbe, Pathy, e Connor – não foram selecionados a partir de um grupo de milhares de candidatos e não estão dedicando grande parte das suas vidas ao empreendimento.

A própria Axiom tem sido mais perversa em relação ao uso de palavras no passado.

“Voos espaciais humanos comerciais”. Turismo Espacial. Como quer que se chame – está acontecendo. E em breve”, escreveu a empresa no seu website.

O que farão enquanto estiverem no espaço?

Cada um dos membros da tripulação tem uma lista de projetos de investigação em que planeja trabalhar.

Connor fará alguma investigação sobre como os voos espaciais afetam as células senescentes, que são células que cessaram o processo normal de replicação e estão “ligadas a múltiplas doenças relacionadas com a idade”, de acordo com a Axiom. Essa investigação será feita em parceria com a Mayo Clinic e a Cleveland Clinic.

Entre os itens da lista de afazeres de Pathy está alguma investigação médica adicional, mais centrada na saúde infantil, que conduzirá em parceria com vários hospitais canadenses, e algumas iniciativas de conservação-consciencialização.

Stibbe fará também alguma investigação e se concentrará em “atividades educacionais e artísticas para ligar a geração mais jovem em Israel e em todo o mundo”, de acordo com a Axiom.

Stibbe está voando em nome da Fundação Ramon – uma organização sem fins lucrativos de educação espacial nomeada pelo primeiro astronauta de Israel, Ilan Ramon, que morreu no desastre do Vaivém Espacial Columbia em 2003. A biografia de Stibbe Axiom diz que ele e Ramon partilharam uma amizade “próxima”.

Durante o tempo estacionada, a tripulação terá também a oportunidade de desfrutar de vistas arrebatadoras da Terra. E, em dado momento, partilharão uma refeição com os outros astronautas a bordo.

A sua comida foi preparada em parceria com o chef de celebridades e filantropo José Andrés. As suas refeições “baseiam-se em sabores e pratos tradicionais da Espanha natal do comandante López-Alegría”, de acordo com Axiom.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Missão de turismo da SpaceX chega à Estação Espacial Internacional no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.