Petroleiras pagaram mais de US$ 15 bi à Rússia desde anexação da Crimeia, dizem ONGs


Nove empresas europeias e norte-americanas de combustíveis fósseis pagaram coletivamente US$ 15,8 bilhões à Rússia em várias formas de impostos e taxas desde que o país anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014, disse um grupo de ONGs na quinta-feira.

O grupo, formado de Global Witness, Greenpeace USA e Oil Change International, usaram dados da Rystad Energy, empresa independente de pesquisa de energia, com sede em Oslo, para calcular quanto dinheiro as empresas de petróleo e gás sediadas na América do Norte e na Europa enviaram para o estado russo. Eles analisaram apenas empresas com operações de exploração e produção na Rússia.

Os dados foram compartilhados em meio a críticas de que as compras de carvão, petróleo e gás russos pelo Ocidente – que são em grande parte ativos estatais – ajudaram a financiar a guerra da Rússia na Ucrânia. Esses pagamentos ressaltam quanto capital as empresas ocidentais de energia que optaram por continuar operando na Rússia após a anexação da Crimeia transferiram para o estado.

Os grupos analisaram royalties, taxas de exportação, bônus, impostos e taxas, bem como “petróleo de lucro do governo”, que inclui o valor de qualquer petróleo real que as empresas possam ter dado à Rússia para chegar ao valor de US$ 15,8 bilhões.

Eles apresentaram uma lista de nove empresas dessas regiões que pagaram mais dinheiro. Todos esses pagamentos foram legais, e outras empresas multinacionais fora do setor de energia também fizeram pagamentos semelhantes ao Estado russo.

A Shell, registrada no Reino Unido, enviou US$ 7,85 bilhões, a maior quantia das empresas listadas, disseram os grupos em um comunicado, compartilhado primeiro com a CNN. Foi seguido pela ExxonMobil, com sede nos EUA (US$ 2,81 bilhões).

Duas empresas registradas na Alemanha, Wintershall e Wintershall DEA, que desde então se fundiram, pagaram um total combinado de US$ 2,86 bilhões. A BP, a multinacional britânica de petróleo e gás, pagou US$ 817 milhões, mostram os dados da Rystad.

Os três grupos que compilaram os dados disseram que, embora o valor de US$ 15,8 bilhões fosse substancial, as empresas identificadas também eram responsáveis ​​por dezenas de bilhões de dólares a mais fluindo para o Estado russo por causa de participações que detêm em empresas russas de petróleo e gás.

A BP até recentemente detinha uma participação de 19,75% na empresa russa de energia Rosneft, por exemplo. A Rosneft pagou US$ 353,16 bilhões à Rússia em impostos, taxas, royalties e lucro do petróleo entre 2014 e 2021, mostram os dados da Rystad.

Embora a BP possa não ter pago esse dinheiro diretamente à Rússia, Murray Worthy, líder da campanha de gás da Global Witness, disse que ainda tem alguma responsabilidade pelos pagamentos.

“A verdadeira quantia que essas empresas são responsáveis ​​por pagar à Rússia está muito mais próxima da marca de US$ 100 bilhões, mas é obscurecida por suas participações em empresas russas. Acreditamos que a BP sozinha seja responsável por US$ 78,4 bilhões que vão para o governo russo por meio da participação na gigante de petróleo e gás Rosneft, que diz ter mantido até algumas semanas atrás”, disse ele à CNN.

Em um comunicado, ele acrescentou: “A indústria de energia russa é a maior lucrativa de Putin e empresas como a BP que (continuaram a fazer negócios com a Rússia apesar de) … certamente estar questionando se eles agora têm sangue ucraniano em suas mãos.”

A BP anunciou que desistiria dessa participação apenas alguns dias depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022. Várias outras empresas de combustíveis fósseis seguiram desde então.

Em um e-mail à CNN, o porta-voz da BP, David Nicholas, disse que a empresa não reconheceu o valor de US$ 78,4 bilhões e explicou que o único dinheiro que a BP pagou diretamente ao Estado russo foi de US$ 350 milhões em impostos pelos seis anos entre 2015 e 2020. O porta-voz não forneceu dados para todo o período de oito anos.

“Em 27 de fevereiro, anunciamos que deixaremos nossa participação na Rosneft, que os dois diretores indicados pela BP estão se demitindo de seu conselho com efeito imediato e que sairemos de nossos outros negócios na Rússia com a Rosneft”, disse Nicholas.

A BP agora enfrenta uma perda potencial de US$ 25 bilhões relacionada à sua saída.

Worthy disse que, embora a BP possa negar a responsabilidade pelos pagamentos da Rosneft ao Estado russo, “sempre ficou mais do que feliz em se beneficiar dos bilhões que fluíram de seu envolvimento na empresa”.

Embora o conjunto de dados se concentre em pagamentos feitos principalmente por meio de impostos e taxas, muito mais dinheiro flui do Ocidente para os cofres do Estado russo em petróleo e gás comprados – que são usados ​​para tudo, desde gás para aquecimento doméstico até combustível para carros.

A verdadeira quantia de dinheiro que vai das empresas de petróleo e gás no Ocidente para o estado russo seria muito maior do que qualquer quantia paga em impostos e taxas.

“Então, quando a Rosneft vende seus produtos para exportação, essas transações de vendas são a maneira pela qual ela ganha a maior parte de seu dinheiro”, disse Alexandra Gillies, consultora do Instituto de Governança de Recursos Naturais (NRGI), que se concentra em países ricos em recursos para alcançar a sustentabilidade.

De acordo com um banco de dados do NRGI, a Rosneft transferiu US$ 58,6 bilhões para o estado russo somente em 2019, o último ano antes da pandemia.

Gillies disse que, embora as empresas ocidentais que optaram por sair da Rússia tenham sido um passo na direção certa, isso deveria ter acontecido muito mais cedo.

“Foi preciso esta invasão da Ucrânia para as companhias petrolíferas ocidentais dizerem: ‘Sabe de uma coisa? Não queremos mais permitir o que este regime está fazendo.’ Eles deveriam ter feito essa ligação muito antes com a invasão da Crimeia, ou com a natureza repressiva do regime de Putin, ou com o regime de Putin interferindo nas eleições dos EUA, ou envenenando figuras da oposição, inclusive em solo britânico”, disse Gillies.

“Houve tantos momentos nos últimos anos que deveriam ter levado as empresas ocidentais a se desfazerem de sua cooperação com o regime.”

As outras quatro empresas listadas na declaração das ONGs são a TotalEnergies, com sede na França (US$ 568 milhões); Equinor com sede na Noruega (US$ 455 milhões); OMV com sede na Áustria (US$ 246 milhões) e Trafigura com sede na Suíça (US$ 202 milhões).

Rystad disse à CNN que seus conjuntos de dados foram baseados em estimativas derivadas de relatórios limitados disponíveis sobre impostos.

A TotalEnergies também tem participações em empresas russas de petróleo e gás que pagaram centenas de milhões de dólares a mais ao governo, segundo dados da Rystad.

A CNN entrou em contato com todas as empresas listadas, bem como a Rosneft, para comentar. A ExxonMobil não respondeu ao pedido da CNN.

Nikita Patel, porta-voz da Shell, disse à CNN: “A dependência mundial da Rússia para energia aumentou ao longo de muitos anos por meio de decisões tomadas por governos e empresas. Como a Shell é um dos maiores fornecedores globais – particularmente na Europa, que depende muito da Rússia para combustível – o dinheiro que pagamos reflete o grande número de clientes que atendemos, como seria de esperar.”

Em 8 de março, a Shell publicou um comunicado à imprensa no qual a empresa anunciou que retiraria seu envolvimento em todas as atividades russas de combustíveis fósseis “de maneira faseada” e deixaria de comprar petróleo bruto russo.

O CEO da Shell, Ben van Beurden, também se desculpou no comunicado depois que a empresa foi criticada por comprar uma carga de petróleo bruto russo no início de março, enquanto outras empresas e comerciantes estavam evitando o produto após a invasão da Rússia em fevereiro.

A TotalEnergies anunciou na terça-feira que deixará de comprar petróleo russo até o final do ano, mas continuará comprando gás russo. A empresa não respondeu ao pedido de comentário da CNN.

A Equinor encerrou suas operações na Rússia e diz que parou de negociar petróleo russo. Seu porta-voz, Ola Morten Aanestad, não confirmou o valor de US$ 455 milhões em um e-mail para a CNN e disse que “é muito cedo para ser específico sobre o processo de saída”, quando perguntado se a empresa ficaria fora da Rússia permanentemente.

Um porta-voz da OMV não comentou a quantia de dinheiro que havia transferido para a Rússia quando perguntado pela CNN, e apontou para uma declaração recente na qual a empresa disse que estava “reavaliando seu envolvimento na Rússia”.

Wintershall DEA disse à CNN que a empresa “não estava em condições de verificar os números apresentados a nós” e que “sempre conduziu nossos negócios em conformidade com todas as leis aplicáveis”.

Um porta-voz da Trafigura disse que a empresa não pagou nada ao governo russo “decorrente da produção de combustíveis fósseis”. A empresa detém 10% de participação no projeto Vostok Oil, do qual a Rosneft é acionista majoritária. O porta-voz disse que “nenhum dinheiro adicional foi pago” desde a aquisição da participação em 2020. “A Trafigura não recebeu dividendos ou pagamentos semelhantes de sua participação na Vostok Oil”.

Lorne Stockman, codiretor de pesquisa da Oil Change International, disse que o mundo agora deve evitar procurar outros regimes autocráticos para substituir os combustíveis fósseis que estão evitando da Rússia.

“Os combustíveis fósseis são a moeda de déspotas, ditadores e belicistas. Nossa dependência global de petróleo e gás não está apenas matando nosso planeta, mas também tornando o mundo um lugar menos seguro e igualitário. Grandes poluidores ocidentais como BP e Shell têm sido todos muito feliz em trabalhar em países com registros desprezíveis de direitos humanos por mais de um século”, disse Stockman.

“Agora é o momento de acabar com a era dos combustíveis fósseis.”

Este conteúdo foi originalmente publicado em Petroleiras pagaram mais de US$ 15 bi à Rússia desde anexação da Crimeia, dizem ONGs no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.