Especialista explica se a subvariante BA.2 pode causar novos surtos de Covid-19


Uma subvariante da Ômicron, BA.2, está levando a uma nova onda de infecções por Covid-19 em toda a Europa. Os casos no Reino Unido, Alemanha, Holanda e outros países estão aumentando, impulsionados por essa cepa de coronavírus altamente transmissível.

A proporção de casos de Covid-19 devido à BA.2 também aumenta nos Estados Unidos. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA estimam que 35% dos novos casos de coronavírus se devem a essa subvariante.

Ao mesmo tempo, as restrições estão sendo flexibilizadas e nenhum estado norte-americano exige mais a obrigatoriedade de máscara (embora as máscaras ainda sejam necessárias em alguns locais, incluindo aeroportos, transporte público, hospitais, lares de idosos, algumas escolas e locais de trabalho).

Quão preocupadas as pessoas devem ficar com a variante BA.2? As vacinas protegem contra ela? E se alguém contraísse uma variante anterior – poderia ser reinfectado? A BA.2 é mais leve do que as versões anteriores e, em caso afirmativo, as pessoas deveriam tentar pegá-la? A BA.2 poderia causar outro aumento nos EUA, e é hora de voltar com as restrições?

Para nos ajudar com essas questões, conversamos com a analista médica da CNN, Leana Wen, médica de emergência e professora de política e gestão de saúde na Escola de Saúde Pública do Instituto Milken da Universidade George Washington. Ela também é autora de “Lifelines: A Doctor’s Journey in the Fight for Public Health”.

CNN: O que sabemos sobre BA.2, e quão preocupados devemos estar?

Leana Wen: Com qualquer nova variante ou subvariante, precisamos fazer três perguntas: é mais contagiosa? Causa doença mais grave? E escapa à proteção de nossas vacinas?

BA.2 está relacionada à BA.1, que é a subvariante Ômicron original que levou ao grande aumento de casos durante o inverno aqui nos Estados Unidos e em toda a Europa. A BA.1 varreu as comunidades por causa de quão contagiante é. BA.2 parece ser ainda mais contagioso do que BA.1. A Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido estima que BA.2 está crescendo 80% mais rápido do que BA.1. Também aqui nos EUA, BA.2 parece estar a caminho de ultrapassar BA.1 para se tornar a variante dominante.

A boa notícia é que BA.2 não parece causar doença mais grave do que BA.1. Pesquisadores do Reino Unido e da Dinamarca descobriram que BA.2 causa um nível de hospitalização comparável ao de BA.1, que é menos provável de resultar em doença grave do que a variante Delta anteriormente dominante.

Além disso, as vacinas que temos ainda são eficazes. Embora a vacinação possa não proteger tão bem contra a infecção por BA.1 e BA.2, a eficácia é parcialmente restaurada com uma dose de reforço, e as vacinas continuam a fornecer proteção muito boa contra doenças graves por ambas as subvariantes de Ômicron.

O que tudo isso me diz é que os especialistas em saúde pública devem acompanhar de perto a ascensão da BA.2 nos EUA, mas que a maioria das pessoas não deve se preocupar. É provável que os EUA vejam um aumento nos casos de Covid-19 nas próximas semanas, pois esse é o padrão que vimos antes – que ficamos atrás do Reino Unido e da Europa em algumas semanas, então o aumento que eles estão vendo poderia ser espelhado aqui. No entanto, a maioria das pessoas que são vacinadas e, em particular, se recebem reforço, provavelmente não ficarão gravemente doentes devido a BA.2.

Nossos funcionários do governo devem se preparar para o que pode estar por vir e aumentar a disponibilidade de testes e tratamentos, e continuar pedindo às pessoas que recebam vacinas e reforços. Mas não acho que isso seja algo com o qual o público em geral deva se preocupar excessivamente neste momento.

CNN: Isso significa que as pessoas podem prosseguir com planos de viagem, ou precisam adiá-los?

Wen: Eu não acho que os planos de viagem precisam ser adiados. Para ter certeza, há incerteza, pois alguns lugares podem ter taxas baixas de Covid-19 agora, mas podem ter taxas aumentadas quando você viaja. No entanto, esse pode ser o caso no futuro próximo. Pouquíssimas atividades que fazemos não têm risco. Viajar certamente envolve risco, mas você pode reduzir esse risco certificando-se de estar vacinado e receber o reforço. Usar máscara em ambientes internos lotados reduz ainda mais o risco.

Nos Estados Unidos, siga as orientações do CDC e certifique-se de usar uma máscara em áreas com altos níveis de transmissão comunitária de Covid-19. Se você está planejando uma viagem internacional, conheça as regras, inclusive se precisa ter comprovante de vacinação ou um teste negativo recente.

CNN: Existem pessoas que deveriam se preocupar com o BA.2?

Wen: Indivíduos que são muito vulneráveis ​​a doenças graves pela Covid-19, apesar da vacinação, devem se preocupar com o coronavírus em geral, pois já estão com outros patógenos infecciosos. Para a maioria das pessoas, a infecção por Covid-19 resultará em doença leve, mas em algumas pessoas – aquelas que estão moderada ou gravemente imunocomprometidas ou com várias condições médicas subjacentes – a infecção ainda pode resultar em hospitalização.

BA-2 pode não causar uma doença mais grave do que BA-1, mas por causa do quão contagiosa é, as pessoas particularmente vulneráveis ​​vão querer continuar tomando precauções adicionais. Isso inclui usar uma máscara de alta qualidade (N95, KN95 ou KF94) em todos os ambientes públicos internos, evitando grandes multidões e viajando apenas por motivos essenciais. Antes de se reunir com outras pessoas, eles podem solicitar que os outros sejam testados para Covid-19.

CNN: Se alguém já teve Ômicron está protegido contra BA.2?

Wen: A Organização Mundial da Saúde disse que a infecção com BA.1 continua a fornecer proteção contra BA.2. A reinfecção com BA.2 após ter BA.1 é rara.

A maioria das pessoas não descobre qual variante tinha, embora isso possa ser estimado com base em quando foram infectados. Se alguém descobriu que tinha Covid-19 durante o surto inicial de Ômicron, é provável que tenha BA.1. Nesse caso, especialmente se também forem vacinados, é muito pouco provável que contraiam BA.2.

No entanto, se alguém foi infectado anteriormente durante outra onda, por exemplo, enquanto Delta era predominante, ele ainda poderia contrair BA.1 ou BA.2. Esta é outra razão pela qual a vacinação é tão crucial, porque a combinação de vacinação e infecção prévia fornece proteção mais consistente e mais durável do que a infecção anterior sozinha.

CNN: Ômicron é uma variante mais leve do que as variantes anteriores. Nesse caso, as pessoas deveriam tentar pegar BA.2 apenas para acabar com isso?

Wen: Em geral, não é uma boa estratégia tentar contrair uma doença. Ômicron é menos provável de resultar em doença grave em comparação com Delta, mas ainda causa doença grave em algumas pessoas. Além disso, mesmo uma doença leve pode ser muito desagradável e resultar em mal-estar, falta ao trabalho e incapacidade de cuidar de familiares por dias. Você também pode infectar outras pessoas e também existe a possibilidade de sintomas de longa duração. Uma estratégia melhor é garantir a vacina e o reforço para que, se você encontrar BA.2 (ou outra variante do novo coronavírus), esteja o mais protegido possível.

CNN: A BA.2 poderia causar outro aumento nos EUA e, em caso afirmativo, as restrições devem voltar agora?

Wen: BA.2 certamente poderia levar a outro aumento nas infecções por Covid-19 nos EUA. Já existem alguns sinais de que o declínio acentuado em novos casos está se estabilizando e, se os EUA seguirem a Europa, como antes, um aumento nos casos pode demorar semanas.

Dito isso, não acho que isso signifique que precisamos restabelecer as restrições. O objetivo da vacinação é dissociar infecções de hospitalizações e doenças graves. Se houver um aumento nas infecções, mas as hospitalizações não chegarem ao ponto de nosso sistema de saúde ficar sobrecarregado, acho que as regras impostas pelo governo não se justificam. As novas diretrizes do CDC são muito úteis, pois levam em consideração doenças graves – graves o suficiente para causar hospitalizações – como métrica para uso de máscara, não apenas qualquer infecção.

Obviamente, só porque o governo não está exigindo máscaras não significa que os indivíduos não devam usar máscaras ou tomar outras precauções. Neste ponto da pandemia, as pessoas devem tomar decisões com base em suas próprias circunstâncias médicas e tolerância ao risco.

Cuidados básicos ajudam a prevenir a Covid-19

Este conteúdo foi originalmente publicado em Especialista explica se a subvariante BA.2 pode causar novos surtos de Covid-19 no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.