Guerra fecha clínicas e interrompe entrega de medicamentos contra HIV na Ucrânia


Em abrigos subterrâneos e clínicas improvisadas, médicos ucranianos estão se esforçando para manter o tratamento para pessoas vivendo com HIV nos trilhos, já que a invasão da Rússia levanta temores de que anos de progresso no combate ao vírus possam ser desfeitos.

Os bombardeios e combates russos fecharam clínicas de HIV em duas cidades ucranianas e forçaram outras a limitar seus serviços, disse uma importante organização sem fins lucrativos, enquanto o fornecimento e distribuição de medicamentos antirretrovirais vitais também estão em risco.

“(A guerra está) tornando as pessoas com HIV mais vulneráveis ​​a tudo”, disse Valeriia Rachynska, chefe de direitos humanos do grupo Rede Ucraniana de Pessoas Vivendo com HIV, à Thomson Reuters Foundation em uma ligação do WhatsApp.

Especialistas em doenças infecciosas dizem que a guerra pode desencadear uma crise de saúde pública tanto na Ucrânia quanto nos países vizinhos em HIV, tuberculose (TB), hepatite C e dependência de opióides.

Pesquisas mostram que a interrupção do tratamento antirretroviral pode dar origem a cepas de HIV resistentes a medicamentos, reduzindo potencialmente as opções de tratamento futuras e também desfaz a proteção que a terapia oferece contra a transmissão do vírus.

“É de partir o coração e tão perturbador”, disse Chris Beyrer, epidemiologista da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, referindo-se ao impacto da guerra na infraestrutura de prevenção, cuidados e tratamento do HIV na Ucrânia.

Cerca de 260 mil pessoas viviam com HIV no país de 43 milhões de pessoas em 2021, de acordo com o Unaids, com cerca de 152 mil pessoas recebendo tratamento.

“Seja qual for o resultado do ponto de vista militar e político, esta crise vai abalar a saúde e gerar uma grande crise de saúde em toda a região”, disse Michel Kazatchkine, ex-diretor executivo do Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária.

Clínicas AD HOC

De acordo com a Healthcare Foundation (AHF), ataques militares e bombardeios forçaram o fechamento completo de suas clínicas na cidade de Kharkiv, no leste, e no porto marítimo de Mariupol, no sul.

A ONG, que forneceu tratamento a cerca de uma em cada três pessoas que receberam antirretrovirais na Ucrânia quando a guerra começou, disse que as incursões militares russas também limitaram o trabalho de clínicas em cidades como Kherson, Mykolaiv, Severodonetsk, Slavyansk e Odessa.

Ainda assim, Martin C. Donoghoe, conselheiro sênior para TB, HIV e hepatite no escritório da OMS na Ucrânia, disse que muitos dos médicos de doenças infecciosas do país permanecem no país, conseguindo cuidar de seus pacientes em porões e clínicas ad hoc.

“Há uma narrativa incorreta de que nada está funcionando”, disse Donoghoe de Copenhague, onde está em contato regular com colegas na Ucrânia, acrescentando que muitas pessoas ainda estão recebendo seus medicamentos para o HIV.

Mas como as ONGs internacionais se mobilizam para enviar novos suprimentos ao país, distribuí-los também pode ser difícil.

“O desafio será, então, não apenas trazê-los para dentro do país, mas despachar esses medicamentos em várias áreas da Ucrânia”, disse Kazatchkine.

Rachynska, que deixou a capital para a relativa segurança do oeste da Ucrânia depois que as tropas russas invadiram o país em 24 de fevereiro, disse temer que o presidente Vladimir Putin tente aplicar as mesmas políticas punitivas na Ucrânia que ele tem em casa.

“Tenho medo da Rússia? Sim. Mas não lutar com eles ou fazer uma guerra com eles, mas viver com eles”, disse Rachynska, acrescentando que os ucranianos LGBTQ+ podem estar em risco particular.

Na Rússia, homossexuais e usuários de drogas injetáveis ​​são frequentemente perseguidos pela polícia, com os nomes dos soropositivos mantidos em um registro central.

Os programas de conscientização sobre o HIV são muitas vezes frustrados pelo efeito da lei de “propaganda gay” de 2013 do país que proíbe a discussão de assuntos LGBTQ+ com menores, acrescentou Beyrer.

Beyrer disse estar preocupado que pessoas proeminentes que trabalham em serviços de HIV na Ucrânia possam ser alvos sob o domínio russo.

Ruslan, um homem bissexual de 42 anos vivendo com HIV que se recusou a dar seu sobrenome ou revelar sua localização exata, disse temer perder o acesso a medicamentos antirretrovirais se for convocado para o exército.

“Estou preocupado que eu e as pessoas com HIV não recebamos terapia oportuna”, disse Ruslan.

“Tento não desanimar e viver na esperança de que tudo ficará bem.”

Desastre

ONGs globais estão tentando ajudar a evitar uma crise de doenças infecciosas na Ucrânia e em toda a Europa, para onde cerca de 3,6 milhões de refugiados fugiram até agora.

O Fundo Global comprometeu US$ 15 milhões extras para apoiar a prevenção, teste e tratamento de TB e HIV, bem como apoiar programas de tratamento de dependência de opióides na Ucrânia.

O programa global de ajuda ao HIV dos Estados Unidos, Pepfar, contribuiu com US$ 6 milhões adicionais para fornecer tratamento antirretroviral na Ucrânia e aos refugiados ucranianos.

Espera-se que uma entrega de 209 mil suprimentos de 90 dias de antirretrovirais chegue à Polônia nesta semana com destino à Ucrânia, que fez mais progresso contra o HIV do que a maioria de seus vizinhos na Europa Oriental e Ásia Central nos últimos anos.

Segundo o Unaids, esta é a única região global a ter visto um aumento substancial — de 43% — na taxa anual de transmissão do HIV estimada entre 2010 e 2020.

Na Rússia, novos diagnósticos de HIV aumentaram na última década, com quase 1 milhão de pessoas testando positivo, de acordo com o Centro Europeu de Controle e Prevenção de Doenças.

Por outro lado, a Ucrânia reverteu as transmissões e mortes anuais de HIV durante a década – conquistas que agora estão ameaçadas, disse Rachynska.

Se os russos ocuparem a Ucrânia, “será um desastre para a população gay, para as pessoas que vivem com HIV”, disse ela.

“Teremos o mesmo desastre em HIV e AIDS que (a Rússia) tem agora.”

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em Guerra fecha clínicas e interrompe entrega de medicamentos contra HIV na Ucrânia no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.