F1: Vencer GP em abertura de temporada pode ser um passo importante para o título? Confira os números de todas as décadas


Aproveitamento dos pilotos era de 51% até 2009, contudo, a porcentagem sofreu queda e não tem sido favorável desde a década de 2010

Vencedor do GP do Bahrein de Fórmula 1 deste domingo (20), Charles Leclerc protagonizou a 17ª vitória da Ferrari em uma corrida de abertura de temporada e tornou-se o 36º piloto da história a iniciar o ano cruzando a linha de chegada na frente. Mas, será que ganhar a primeira prova, segundo as estatísticas, pode ser um importante passo para conquistar o título?

Esta é a 73º temporada da categoria. Em 34 das 72 edições anteriores, quem venceu o primeiro GP conquistou o título no final do ano, o que representa 47,22% das oportunidades. O vice-campeonato ocorreu em 21 ocasiões, perfazendo 29,16% do total.

A pior colocação foi do norte-americano Mario Andretti, que finalizou o ano de 1971 em 8º lugar.

Nos últimos dez anos, o vencedor da etapa inaugural foi campeão somente em 2015 e 2016. Portanto, iniciar o ano estourando a champanhe no lugar mais alto do pódio neste período não tem sido um bom indicativo percentual para levar o mundial de Fórmula 1.

Campeão: 34 – 47,22%

Vice: 21 – 29,16%

3º lugar: 4 – 5,55%

4º lugar: 5 – 6,94%

5º lugar: 4 – 5,55%

6º lugar: 1 – 1,38%

7º lugar: 2 – 2,77%

8º lugar: 1 – 1,38%

Pilotos vencedores da primeira corrida e do título mundial no mesmo ano

As décadas de 1950, 1990 e 2000 registraram o melhor aproveitamento por parte dos pilotos, onde em 80% quem levou o GP inicial também faturou o mundial.

Já entre 1970 e 1979, houve módicos 10% de aproveitamento.

1950-1959

De 1950 a 1959, apenas por duas vezes os vencedores do primeiro GP não obtiveram o título. Piero Taruffi, da Ferrari, terminou o ano de 1952 no terceiro lugar, enquanto Stirling Moss ficou com o vice em 1958.

Pentacampeão, Juan Manuel Fangio é o único piloto da história a vencer todos os seus títulos no mesmo ano em que ganhou as estreias de temporada.

1950 – Giuseppe Farina (Alfa Romeo)

1951 – Juan Manuel Fangio (Alfa Romeo)

1953 – Alberto Ascari (Ferrari)

1954 – Juan Manuel Fangio (Maserati)

1955 – Juan Manuel Fangio (Mercedes)

1956 – Juan Manuel Fangio (Ferrari)

1957 – Juan Manuel Fangio (Maserati)

1959 – Jack Brabham (Cooper)

Aproveitamento: 80%

1960-1969

Entre 1960 a 1969, estes números sofreram uma grande queda. Somente Graham Hill, Jim Clark e Jackie Stewart, nos anos de 1962, 1965 e 1969 respectivamente, sagraram-se campeões iniciando o ano com vitória.

1962 – Graham Hill (BRM)

1965 – Jim Clark (Lotus)

1969 – Jackie Stewart (Matra)

Aproveitamento: 30%

1970-1979

A década de 1970 é a pior da categoria neste quesito. Ao todo, cinco pilotos tiveram de se contentar com o vice-campeonato, além de um 4º, 5º, 7º e 8º lugares. Apenas Mario Andretti conseguiu o mundial, em 1978.

1978 – Mario Andretti (McLaren)

Aproveitamento: 10%

1980-1989

A época de 1980 retomou a porcentagem decadal de 1960. Logo no primeiro ano, Alan Jones conduziu sua Williams à vitória na estreia da temporada e ficou com o título, feito também reproduzido por Nelson Piquet, em 1983, e Alain Prost, no ano de 1985.

1980 – Alan Jones (Williams)

1983 – Nelson Piquet (Brabham)

1985 – Alain Prost (McLaren)

Aproveitamento: 30%

1990-1999

O último decênio do século 20 iniciou-se com Ayrton Senna vencendo o GP dos Estados Unidos e os campeonatos de 1990 e 1991. David Coulthard (McLaren) abriu 1997 ganhando o GP da Austrália, mas finalizou o ano em 3º. Dois anos depois, Eddie Irvine também arrancou bem, contudo, fechou a competição com o vice.

1990 – Ayrton Senna (McLaren)

1991 – Ayrton Senna (McLaren)

1992 – Nigel Mansell (Ferrari)

1993 – Alain Prost (Williams)

1994 – Michael Schumacher (Benetton)

1995 – Michael Schumacher (Benetton)

1996 – Damon Hill (Williams)

1998 – Mika Häkkinen (Mclaren)

Aproveitamento: 80%

2000-2009

Os anos 2000 mantiveram o alto índice, com oito campeões em dez oportunidades. Novamente, David Coulthard começou o ano com o pé direito, mas não levou o mundial de 2003. Giancarlo Fisichella teve o mesmo destino em 2005.

2000 – Michael Schumacher (Ferrari)

2001 – Michael Schumacher (Ferrari)

2002 – Michael Schumacher (Ferrari)

2004 – Michael Schumacher (Ferrari)

2006 – Fernando Alonso (Renault)

2007 – Kimi Räikkönen (Ferrari)

2008 – Lewis Hamilton (McLaren)

2009 – Jenson Button (Brawn)

Aproveitamento: 80%

2010-2019

Juntamente dos anos 1970, este período conta com um fato curioso: 50% dos pilotos foram vice-campeões, a maior porcentagem registrada na história. Apenas Sebastian Vettel, Lewis Hamilton e Nico Rosberg arrebataram o campeonato entre 2010 e 2019.

2011 – Sebastian Vettel (Red Bull)

2015 – Lewis Hamilton (Brawn)

2016 – Nico Rosberg (Mercedes)

Aproveitamento: 30%

2020 e 2021

Neste início de década, Valtteri Bottas e Lewis Hamilton iniciaram bem o ano, mas não conseguiram o título.

Números totais por pilotos

Apenas 22 pilotos possuem tal façanha. Destes, somente Juan Manuel Fangio, Alain Prost, Ayrton Senna, Michael Schumacher e Lewis Hamilton repetiram o feito por duas ou mais vezes.

Michael Schumacher: 6

Juan Manuel Fangio: 5

Alain Prost, Ayrton Senna e Lewis Hamilton: 2

Alan Jones, Alberto Ascari, Damon Hill, Fernando Alonso, Giuseppe Farina, Graham Hill, Jack Brabham, Jackie Stewart, Jenson Button, Jim Clark, Kimi Räikkönen, Mario Andretti, Mika Häkkinen, Nelson Piquet, Nico Rosberg, Nigel Mansell e Sebastian Vettel: 1

F1: Vencer GP em abertura de temporada pode ser um passo importante para o título? Confira os números de todas as décadasTorcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.