Desempenho de petroleiras diverge na bolsa mesmo com alta da commodity; entenda


Desde o início da guerra na Ucrânia, o petróleo chegou a níveis recordes vistos pela última vez apenas na crise de 2008. O tipo Brent, referência para a Petrobras, foi da casa dos US$ 90 o barril para mais de US$ 130 antes de ter um leve recuo. Nesse cenário, seria natural imaginar que as ações das produtoras de petróleo seriam beneficiadas, mas não é bem assim.

Um levantamento da Economatica feito a pedido do CNN Brasil Business mostra que as três petroleiras com ações no IbovespaPetroRio (PRIO3), 3R Petroleum (RRRP3) e Petrobras (PETR3 e PETR4) – tiveram comportamentos bem diferentes desde que o conflito começou.

De 23 de fevereiro até 17 de março, o papel da 3R foi o que mais subiu, 12,41%, enquanto a ação da PetroRio avançou 0,64%. Já os ativos ordinário e preferencial da Petrobras caíram, respectivamente, 9,40% e 12,30% no período.

Especialistas consultados pelo CNN Brasil Business afirmam que essa diferença se deve a uma série de fatores, levando em conta tanto questões mercadológicas ligadas a cada empresa quanto o inevitável elemento político na Petrobras, uma estatal.

Impacto da política de preços

Phil Soares, chefe de análise de ações da Órama, afirma que, antes de analisar o comportamento das empresas na guerra, é preciso lembrar que elas já vinham em uma tendência de alta devido à valorização do petróleo.

A commodity subiu ao longo do ano de 2021, e continuou em 2022, devido às divergências de oferta e demanda com a pandemia. Com os preços em alta, as ações tendem a se beneficiar, mesmo que o reflexo seja “de forma gradual”.

Para Flávio Conde, head de Renda Variável da Levante Ideias de Investimentos, a principal causa da divergências entre as ações está no fato de a PetroRio e a 3R Petroleum seguirem de imediato os preços do petróleo no exterior.

Isso significa que, se o preço sobe, o valor cobrado também se eleva, assim como o lucro das empresas, o que atrai os investidores. No caso da Petrobras, a história é diferente, mesmo com a estatal tendo uma paridade com o mercado internacional.

“A Petrobras só aumenta ou diminui preço no intervalo em torno de 50 dias, então quando o preço começou a subir muito, ficou muitos dias sem ganhar nada com essa alta. Ela não consegue acompanhar pari passu o preço do petróleo igual às outras duas”, diz.

Mas isso não é necessariamente uma vantagem para as duas companhias. Logo no início do conflito, as ações chegaram a subir ainda mais. Por outro lado, quando o petróleo devolveu parte dos ganhos e passou a rondar a casa dos US$ 100, elas também reduziram as altas.

O tempo que a Petrobras leva para reajustar os preços dos combustíveis significa que o impacto da queda no petróleo também demora mais para afetar as ações. No mesmo período, enquanto a PetroRio e 3R devolviam alguns ganhos, a Petrobras valorizava e reduzia as perdas, já que tinha acabado de anunciar o maior reajuste de preços em mais de um ano.

Mas isso não foi suficiente para equilibrar as quedas ligadas a outro fator da estatal, o político. Conde atribuiu o recuo nesse período ao “medo de interferência do governo” na política de preços, para segurar altas, o que afetaria as margens de lucro da Petrobras.

Soares afirma que “tem a crença muito grande dos investidores de que a Petrobras nunca vai conseguir se aproveitar de alta dos preços indefinidamente, uma hora não vai conseguir repassar porque o preço fica politicamente caro, uma espécie de teto”.

“Teve o repasse agora, mas foi toda uma discussão, com passagem de leis, é uma questão política forte, e conforme o mercado nota isso, as ações tendem a cair”, diz.

Segundo ele, além de não serem estatais, o fato da PetroRio e da 3R negociarem quantidades de petróleo bem menores, que não afetam a oferta interna, evita que elas sofram o risco de ter qualquer interferência política.

Já a divergência entre a PetroRio e a 3R Petroleum está ligada a alguns elementos específicos das empresas.

Soares aponta que a PetroRio já vinha de uma tendência de “muita apreciação desde o segundo semestre, muitas aquisições, e essas mudanças internas foram premiadas já pelo mercado”.

Ele avalia que o espaço para valorização acabou sendo menor, o que levou a um fluxo de apreciação rápido no período, mas depois um ceticismo quanto à cotação e também realização de lucros, o que resultou na venda dos papéis e redução da valorização.

Conde diz que a 3R acabou subindo nesse período porque logo antes de a guerra começar, a empresa divulgou um resultado trimestral que não foi bem-visto pelo mercado, levando a uma forte queda.

Com isso, surgiu um espaço para valorização exatamente quando o preço do petróleo disparou.

As próprias ações da Petrobras acabam tendo desempenhos diferentes por outro fator. Segundo Conde, os investidores estrangeiros costumam priorizar a ordinária (PETR3) porque se sentem mais seguros, vendo menos chances do governo tomar alguma medida que afete os detentores desse tipo de ação.

Como o cenário era de temor de interferências, a queda na ação preferencial (PETR4) foi maior devido à visão de seus detentores poderiam estar mais vulneráveis.

O cenário atual vai continuar?

Phil Soares avalia que o preço do petróleo está muito alto, e que a tendência para os próximos é de redução devido à tendência de aumento de oferta e avanço de negociações entre Rússia e Ucrânia.

Isso não significa necessariamente que as ações de petroleiras vão cair, mas “podem ter alguma reação, em proporção menor”.

Para ele, a alta atual é insustentável, e não faz muito sentido investir levando em conta os recordes recentes porque eles não refletirão os lucros futuros, mais ligados a preços menores.

Conde afirma que o reajuste anunciado pela Petrobras já muda a divergência entre as três empresas.

“Se o petróleo recuar, digamos para US$ 94, as ações da PetroRio e 3R caem, e da Petrobras cai bem menos pelo tempo de reajuste. Na alta é bom ter as duas empresas, mas na baixa não”, diz.

Ele cita um estudo recente da Agência Internacional de Energia (AIE) que projeta altas do petróleo nos segundos trimestre e semestre pela dificuldade em aumentar a produção em meio a uma demanda elevada.

A tendência, diz, é que, caso a guerra acabe, os preços fiquem entre os US$ 90 e os US$ 100, com a variação voltando a depender de análise de números de oferta, demanda e estoque.

Além disso, Conde afirma que as eleições presidenciais neste ano devem influenciar o comportamento das ações da Petrobras no segundo semestre, principalmente a partir de agosto, com potencial de pesar negativamente.

“O cenário atual, com os favoritos atuais, deve fazer com que mais investidores saiam dela e vão para as outras 2 [PetroRio e 3R]. O problema disso é que não existem ações suficientes, liquidez, para fazer essa troca porque são empresas pequenas”, diz.

“Não tem como vender Petrobras e comprar PetroRio e 3R, o investidor pessoa física faz, mas os institucionais, fundos, não têm como fazer”.

Por isso, ele avalia que há grandes chances de esses investidores migrarem para o mercado de minério de ferro, com preços também em alta, em especial a Vale (VALE3), que tem liquidez para absorver essa entrada.

Saiba mais sobre o petróleo e como funciona a sua cotação

Este conteúdo foi originalmente publicado em Desempenho de petroleiras diverge na bolsa mesmo com alta da commodity; entenda no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.