Saiba por que idosos precisam de doses adicionais da vacina contra a Covid-19


O governo de São Paulo anunciou na quarta-feira (16) que a aplicação da quarta dose da vacina contra a Covid-19 para os idosos acima de 80 anos começa no dia 21 de março. A decisão segue uma recomendação do Comitê Científico da Covid-19 no estado. A cidade de São Paulo decidiu antecipar o início da imunização deste público para esta sexta-feira (18).

Na edição desta quinta-feira (17) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou por que os idosos precisam de doses adicionais das vacinas contra o novo coronavírus.

O avanço da idade traz diferentes impactos para o organismo humano, incluindo a capacidade de funcionamento do sistema imunológico.

O processo de envelhecimento afeta os diferentes tipos de imunidade, devido a um fenômeno chamado imunossenescência, definido como a desregulação da função imunológica nos idosos. Além da redução da resposta vacinal, a imunossenescência contribui para o aumento da suscetibilidade a infecções, desenvolvimento de câncer e doenças autoimunes.

Para receber a dose adicional, a pessoa deve ter recebido a terceira aplicação há pelo menos quatro meses.

“Em termos de organização e conhecendo o sistema imunológico e a resposta que a gente tem em média das vacinas, é um tempo razoável para que você possa oferecer um estímulo adicional para que o sistema imunológico venha a produzir mais anticorpos e a própria defesa celular seja treinada”, explica Gomes.

A alergista e imunologista pela Universidade de São Paulo (USP), Brianna Nicolletti, explica que a necessidade de reforços na imunização contra qualquer doença evitável por meio de vacinas só é apontada a partir da queda de proteção diante de um esquema vacinal inicial completo.

“Pessoas consideradas protegidas das manifestações mais graves da doença com aplicação de três doses de imunizante, a princípio, não precisaram de reforço neste momento. No entanto, para populações de risco, imunossuprimidos e idosos, já se entende que uma quarta dose possa ter um benefício após quatro meses da última dose”, afirma.

Como funciona a indução da imunidade

As vacinas contra a Covid-19 são desenvolvidas a partir de diferentes tecnologias. Embora cada tecnologia adote uma metodologia diferente, o objetivo é o mesmo: estimular a produção de anticorpos neutralizantes que vão reconhecer e eliminar o SARS-CoV-2, vírus causador da Covid-19.

Quando as vacinas são aplicadas, elas carregam para o organismo informações sobre o novo coronavírus que vão ensinar o corpo a produzir defesas específicas contra o microrganismo. Assim, se uma pessoa vacinada for exposta à infecção natural, os mecanismos de defesa já estarão prontos para combater o vírus – o que reduz o número de hospitalizações, casos graves e mortes pela doença.

Além disso, a resposta do sistema imunológico é complexa e vai além da ação de anticorpos. Quando as vacinas são inoculadas no organismo, elas também contam com uma função essencial de ativação de outras células de defesa do organismo, os chamados linfócitos T.

A resposta celular gerada pelos imunizantes também envolve células de memória do sistema imunológico que permanecem no organismo. Assim, quando o indivíduo entra em contato com o novo coronavírus por meio de uma infecção natural, elas ativam a produção de anticorpos que respondem contra a infecção, evitando principalmente os casos graves, hospitalizações e mortes pela doença.

Cuidados básicos ajudam a prevenir a Covid-19

Este conteúdo foi originalmente publicado em Saiba por que idosos precisam de doses adicionais da vacina contra a Covid-19 no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.