Quais as melhores propriedades para comprar no Banco Imobiliário?


O pulo do gato é saber quais são as mais frequentadas. Diferente do que imagina o senso comum, a probabilidade não é a mesma para todas as casas do jogo. As propriedades que ficam na linha após a cadeia têm mais visitantes. E o motivo é simples. 

Os jogadores passam por lá quando param na casa da cadeia, mas também quando dão a má sorte de cair em “vá para a cadeia”. Assim, as chances de um jogador terminar sua rodada na prisão é, em média, duas vezes maior. Por outro lado, os participantes jamais vão terminar a rodada exatamente no lado oposto do tabuleiro, já que a casa que existe ali é outra que manda o azarado… para a cadeia.

Outro ponto a se levar em conta é que cartas de “sorte ou revés” podem mandar o jogador avançar duas casas, mas nenhuma manda o jogador para uma casa aleatória lá do outro lado do tabuleiro. Logo, propriedades próximas às casas “sorte ou revés” também são mais frequentadas.

O cálculo ainda deve considerar a probabilidade dos dados. Por exemplo: só há uma chance de o jogador andar 12 casas (tirando 6 em cada um dos dados), mas três vezes mais chances de andar dez casas (tirando dois 5, as combinações de 4 e 6 ou 6 e 4). Sabemos que todos os jogadores começam no ponto de partida e têm a possibilidade de voltar para ele por meio da carta “sorte ou revés”. Então, a propriedade que está a dez casas do ponto de partida tem mais chances de ser frequentada do que uma que está a 12 casas, porque existem mais combinações de dados possíveis que resultam em dez. Além disso, a propriedade logo após o ponto de partida é menos frequentada, porque o jogador jamais vai tirar 1 no dado (tanto o Banco Imobiliário quanto o Monopoly usam dois dados). 

Mas você não precisa ficar fazendo contas de probabilidade sozinho. O gráfico abaixo mostra onde é mais provável que o jogador termine a rodada. O cálculo foi feito com base no tabuleiro do Monopoly, a versão internacional do Banco Imobiliário. Embora outras versões possam ter pequenas mudanças nas configurações das casas, a lógica permanece a mesma.

<span class="hidden">–</span>Natalia Sayuri Lara/Maria Clara Rossini/Superinteressante
Compartilhe essa matéria via:

Continua após a publicidade


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.