Rússia planeja “pseudo” referendo de independência em Kherson, diz oficial ucraniano


As forças de ocupação da Rússia estão planejando realizar um “pseudo” referendo na cidade portuária de Kherson, no sul da Ucrânia, para criar uma nova região separatista, disse o vice-chefe do conselho local neste sábado (12).

“A criação [da república] transformará nossa região em um buraco sem esperança, sem vida ou futuro”, disse Sergey Khlan em um post nas redes sociais.

As forças russas capturaram Kherson após o início de uma invasão em 24 de fevereiro, mas manifestantes pró-Ucrânia tomaram as ruas da cidade para protestar contra a força invasora.

O prefeito da cidade, Ihor Kolykhaiev, declarou na quarta-feira (2) que os militares da Ucrânia não estavam mais na localidade e que seus habitantes deveriam agora cumprir as instruções de “pessoas armadas que vieram para a administração da cidade”, indicando um controle da Rússia.

Kherson é uma cidade estrategicamente importante em uma enseada do Mar Negro com uma população de quase 300 mil habitantes.

O controle de Kherson foi considerado um momento significativo no conflito, pois representa a primeira grande cidade da Ucrânia tomada pela Rússia.

Entenda o conflito

Após meses de escalada militar e intemperança na fronteira com a Ucrânia, a Rússia atacou o país do Leste Europeu. No amanhecer desta quinta-feira (24), as forças russas começaram a bombardear diversas regiões do país – acompanhe a repercussão ao vivo na CNN.

Horas mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou uma “operação militar especial” na região de Donbas (ao Leste da Ucrânia, onde estão as regiões separatistas de Luhansk e Donetsk, as quais ele reconheceu independência).

O que se viu nas horas a seguir, porém, foi um ataque a quase todo o território ucraniano, com explosões em várias cidades, incluindo a capital Kiev.

De acordo com autoridades ucranianas, dezenas de mortes foram confirmadas nos exércitos dos dois países.

Em seu pronunciamento antes do ataque, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

Esse ataque ao ex-vizinho soviético ameaça desestabilizar a Europa e envolver os Estados Unidos.

A Rússia vem reforçando seu controle militar em torno da Ucrânia desde o ano passado, acumulando dezenas de milhares de tropas, equipamentos e artilharia nas portas do país.

Nas últimas semanas, os esforços diplomáticos para acalmar as tensões não tiveram êxito.

A escalada no conflito de anos entre a Rússia e a Ucrânia desencadeou a maior crise de segurança no continente desde a Guerra Fria, levantando o espectro de um confronto perigoso entre as potências ocidentais e Moscou.

(Com informações de Sarah Marsh e Madeline Chambers, da Reuters, e de Eliza Mackintosh, da CNN)

Este conteúdo foi originalmente publicado em Rússia planeja “pseudo” referendo de independência em Kherson, diz oficial ucraniano no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.