Bebê recebe primeiro transplante de coração e timo, com possível eliminação de remédios


Quando Kaitlyn Sinnamon estava grávida de 20 semanas de seu segundo filho, os médicos disseram a ela que seu bebê nasceria com um problema cardíaco que exigiria cirurgia no início de sua vida.

Easton Sinnamon nasceu no Duke University Hospital, nos Estados Unidos, com doença cardíaca de ventrículo único, o que significava que seu coração tinha apenas um ventrículo, em vez de dois, para bombear sangue para o resto do corpo.

Depois que duas cirurgias cardíacas não conseguiram corrigir uma válvula cardíaca com vazamento relacionada à sua doença cardíaca congênita, ficou claro para a equipe cirúrgica que Easton precisaria de um novo coração. Mas o transplante exigiria que Easton tomasse medicamentos imunossupressores pelo resto de sua vida para que seu corpo não rejeitasse o novo órgão.

Esses medicamentos podem aumentar o risco de câncer e ser tóxicos para os rins, além de tornar os pacientes mais suscetíveis a infecções graves.

Mas os médicos enfrentaram outro desafio enquanto Easton aguardava um transplante de coração. Após repetidas infecções, mais testes revelaram que ele tinha uma deficiência em um tipo específico de célula do sistema imunológico chamada célula T. As células T amadurecem no timo, um órgão que fica na frente do coração.

A má função imunológica de Easton significava que seu corpo não produzia naturalmente células T, que também são frequentemente responsáveis ​​​​pelo corpo rejeitando e atacando um órgão transplantado quando não o reconhece.

“Foi um acaso no sentido de que Easton precisava de um transplante de coração e também tinha uma função imunológica muito ruim”, disse o Dr. Joseph Turek, chefe de cirurgia cardíaca pediátrica da Duke University e membro da equipe cirúrgica de Easton, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (7).

Isso fez de Easton um candidato a uma nova cirurgia para receber um novo coração e um timo processado do mesmo doador. Essa combinação de procedimentos nunca havia sido feita em um ser humano.

Para os pais de Easton, Kaitlyn e Brandon Sinnamon, a decisão de submeter seu bebê a procedimentos tão críticos não foi fácil, especialmente devido aos riscos que acompanham a cirurgia de transplante. Quando a segunda cirurgia de Easton falhou, Turek discutiu as opções com os Sinnamons.

“Acho que uma das coisas que mais nos marcou é que ele nos disse: ‘Quero salvar seu filho, e a única maneira de fazer isso é por meio de transplante’”, disse Kaitlyn Sinnamon à CNN. “‘Se funcionar, isso não apenas ajudará Easton, mas também milhões de outras pessoas. E além disso, faremos uma enorme diferença. E se não funcionar, pelo menos tentamos.”

Bebê Easton com a avó Julie O’Neal ao lado da mãe Kaitlyn. Este foi o primeiro encontro de Julie com o filho / Duke University

De acordo com Turek, a Duke University é o único lugar no Hemisfério Ocidental que faz transplantes de timo cultivado, nos quais as células do timo do doador são incubadas e cultivadas em laboratório antes de serem implantadas no receptor.

Em um sistema imunológico saudável, as células imunes imaturas entram no timo, onde aprendem a identificar o que é “próprio” e o que é estranho. O processo de cultura do timo limpa qualquer uma das células imunes maduras do doador, deixando uma estrutura de timo para o receptor desenvolver suas próprias células imunes.

“É a ideia de que o timo está crescendo no mesmo ambiente que o novo órgão transplantado, é o que permite reconhecê-lo como ‘eu’. Se você apenas usa o timo e não o cultiva, já tem células que começariam a rejeitar”, disse Turek à CNN.

A deficiência imunológica de Easton significava que ele poderia desenvolver um aspecto de seu sistema imunológico – células T – enquanto seu corpo se acostumava com seu novo coração. Esse transplante duplo do mesmo doador pode até eliminar a necessidade de medicamentos imunossupressores perigosos ao longo da vida.

Em agosto, aos 6 meses de idade, Easton fez um transplante de coração e começou a tomar medicação imunossupressora. Duas semanas depois, após as células do timo doador terem completado o processo de cultura, ele também recebeu o implante do timo.

“É agridoce ficar empolgado com o transplante de seu filho porque você pode trazê-lo para casa, mas outra pessoa está perdendo o dele”, disse Sinnamon.

Logo após a cirurgia, Easton foi retirado da unidade de terapia intensiva, o que indicou aos pais que ele estava se recuperando bem.

Seis meses após o transplante, os testes demonstraram que o novo timo de Easton estava desenvolvendo adequadamente as células T e que seu corpo não havia rejeitado seu novo coração. Esses resultados são promissores, e a equipe médica de Easton espera desmamá-lo de sua medicação imunossupressora em um ano, se os testes confirmarem que suas células T reconhecem seu coração transplantado como seu.

“A ideia de que você poderia fazer um transplante e não ter que tomar esses medicamentos é realmente um divisor de águas para pacientes com órgãos transplantados”, disse Turek à CNN.

Turek também disse que o sucesso deste procedimento pode significar que o coração transplantado pode viver mais.

Atualmente, os corações transplantados geralmente sobrevivem apenas 10 a 15 anos por causa de pequenos episódios de rejeição nos anos após o procedimento. Normalmente, esses episódios podem ser tratados aumentando a dosagem de medicamentos imunossupressores, mas podem arruinar a integridade do coração ao longo do tempo.

Portanto, construir um sistema imunológico que seja tolerante a um transplante de coração pode aumentar a durabilidade desse coração.

Turek vê isso como uma abertura para o futuro da medicina de transplante. O próximo passo é testar se esse procedimento pode ser bem-sucedido em alguém com um sistema imunológico saudável que precisa de um transplante de órgão.

“Acho que, se isso acontecer, será assim que a maioria dos transplantes será feita no futuro, e isso será em todos os órgãos”, disse Turek à CNN.

No entanto, as células T constituem apenas uma parte da resposta do sistema imunológico aos órgãos transplantados, observou o Dr. Reshma Biniwale, professor associado de cirurgia cardíaca e diretor de transplante cardíaco pediátrico da UCLA.

“Eu hesitaria muito em dizer que a criança estará completamente livre de qualquer imunossupressão, porque essa técnica só cuida das células T, das células tímicas”, disse Biniwale, que não esteve envolvido na cirurgia de Easton.

“A imunidade também é mediada por anticorpos das células humorais, que requerem um mecanismo completamente diferente de imunossupressão.”

As células B, também conhecidas como células humorais, são um tipo de célula imune que produz anticorpos e são produzidos na medula óssea.

“Esta pode ser uma ótima solução a curto prazo, mas não oferece uma solução para toda a vida”, disse Biniwale à CNN.

Ainda não está claro se esse procedimento seria viável em um paciente adulto, de acordo com Turek, porque o timo encolhe à medida que as pessoas envelhecem e a medula óssea se torna responsável pela produção de células T.

“Essa é uma das coisas que estamos analisando no laboratório, bem como para descobrir qual é a idade adequada do doador. Acreditamos que provavelmente será em algum lugar no início da idade adulta onde você ainda teria um timo viável para transplante”, disse Turek.

Existe até o potencial de transplantes de timo cultivado para acompanhar xenotransplantes, que é quando órgãos de animais são transplantados para humanos.

Um homem que foi o primeiro a receber um transplante de coração de porco geneticamente modificado morreu na terça-feira, dois meses após a cirurgia. Turek diz que um transplante de timo cultivado pode eliminar a necessidade de altas doses da medicação imunossupressora que o homem precisava.

Sete meses após suas próprias cirurgias, Easton comemorou seu primeiro aniversário e “está prosperando em casa”, segundo Sinnamon.

“Quando o trouxemos para casa, ele não conseguia nem levantar a cabeça. Tivemos que carregá-lo como um bebê recém-nascido, e agora ele está andando pela casa, rindo e brincando com sua irmã no chão”, disse ela. “Se você olhasse para ele agora, não teria ideia de que ele passou por tudo o que passou.”

Este conteúdo foi originalmente publicado em Bebê recebe primeiro transplante de coração e timo, com possível eliminação de remédios no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.