Entenda como a guerra pode provocar traumas e danos à saúde mental


A guerra na Ucrânia levou a um aumento significativo no número de refugiados no mundo. Segundo a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), já são mais de 1,7 milhão de pessoas que deixaram suas casas desde o início da invasão do país pela Rússia. Acompanhe a cobertura especial da CNN.

O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) pode acometer pessoas de qualquer idade após a vivência de uma situação de crise como a guerra. Os principais sintomas são insônia, irritabilidade, mudanças de humor e inquietação inesperada.

Na edição desta segunda-feira (7) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou como o conflito pode desencadear traumas e provocar danos a longo prazo para a saúde mental.

“Depois de uma guerra, a gente sabe que existe essa situação do estresse pós-traumático desde os indivíduos que trabalharam no front até mesmo para toda a população envolvida nesse processo e que tem um quadro clínico bem exuberante e típico com flashbacks, alteração no sono, sensação de angústia e de sentimentos físicos”, afirma Gomes.

Diante da ameaça de conflitos armados, as pessoas precisam fazer escolhas de maneira ágil e sob grande pressão. Uma das mais difíceis pode ser a opção por deixar o lar em busca de lugares mais seguros, principalmente se for preciso deixar algum familiar ou amigo para trás.

“Quando existe um trauma muito grande e uma situação crítica que se prolonga, por exemplo da guerra, você tem aquele salto de adrenalina pelo corpo em uma situação aguda, como uma bomba que explode, mas a longo prazo você tem uma liberação tônica de cortisol”, explica Gomes.

Segundo ele, a liberação de hormônios pelo organismo, como medida natural de mecanismo de defesa, pode levar a lapsos de memória. “Sabemos que existe um processo como se fosse uma defesa natural do próprio cérebro, que provoca lapsos de memória e até mesmo amnésia, como se fosse uma forma de você conseguir suportar dor tamanha para continuar vivendo”, afirma.

Diagnóstico e tratamento do trauma

O diagnóstico e tratamento oportunos do estresse pós-traumático podem contribuir para a redução de danos associados à experiência do conflito, principalmente em relação às crianças expostas ao trauma. “Quando existe um fator estressor único, existe um processo de luto que via de regra acaba ocupando, até o indivíduo ter a sua resiliência e passar por todas etapas, mais ou menos cerca de dois anos”, diz.

Ainda não há um consenso científico para explicar por que algumas pessoas são mais propensas ao trauma do que outras. Algumas hipóteses incluem fatores genéticos, questões hormonais e a própria capacidade do indivíduo de lidar com situações de estresse.

O tratamento pode ser realizado a partir do acompanhamento psicológico e psiquiátrico, com o uso de medicação quando prescrito pelo profissional de saúde. Outros tipos de terapia consistem na exposição prolongada e terapia de processamento cognitivo, que são técnicas vinculadas a um processo de colocar o indivíduo diante da situação traumática de forma gradual, com o objetivo de provocar a dessensibilização em relação ao evento traumático.

O apoio familiar e social também contribui para a prevenção ao transtorno de estresse pós-traumático.

“Dependendo do país em que o refugiado vai se alocar, pode existir um acolhimento maior ou menor, ou uma visão mais aplicada a essa situação ou não. Em linhas gerais, acaba sendo a instrução e o reconhecimento de que isso existe que faz com que a gente possa ter resultados melhores”, conclui.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Entenda como a guerra pode provocar traumas e danos à saúde mental no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.