Guarda Popular sugere debate amplo e critica polícia em meio ao crescimento da violência no futebol


Torcida do Inter, Guarda Popular, soltou longa nota a respeito dos acontecimentos do último Gre-Nal

Ainda na repercussão dos tristes fatos ocorridos no Gre-Nal de sábado, adiado após ataque com pedradas ao ônibus do Grêmio, a torcida do Inter, Guarda Popular, que fica atrás de uma das goleiras do Beira-Rio e é conhecida pelo apoio, soltou comunicado oficial pedindo urgentemente um debate “sério e responsável” sobre a segurança no futebol.

O texto faz críticas à forma como as autoridades vêm preparando as logísticas dos últimos clássicos e ressalta possíveis “abusos” da polícia, da qual a Guarda Popular entende que o trabalho precisa ser revisado e debatido com a mesma urgência.

Ainda na noite de domingo, a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) oficializou que a nova data do Gre-Nal acontecerá no dia 9, no Beira-Rio, às 19h. As autoridades ainda se reunirão nesta semana para definir a presença ou não de torcedores.

Confira a nota completa da Guarda Popular sobre o Gre-Nal e a segurança no futebol:

Toda vez que episódios de violência acontecem nos clássicos, o jornalismo esportivo gaúcho repete até se cansar que os grandes responsáveis são as “organizadas”, mesmo que nos episódios ao redor dos estádios, como o de ontem, as principais torcidas e seus integrantes estivessem completamente longe do ocorrido. Já passou do momento de se fazer um debate sério e responsável sobre a segurança nos estádios, com a participação dos órgãos responsáveis, dos Clubes e dos torcedores de ambos os lados, um trabalho no sentido totalmente oposto do que os jornalistas esportivos pré-históricos e elitistas tentam imputar na opinião pública.

O que ocorreu ontem não se trata de um fato isolado, quem frequenta as arquibancadas sabe muito bem que todo clássico, seja nos estádios de Porto Alegre ou no interior, são recorrentes os episódios de apedrejamento, entretanto, os responsáveis pela segurança desses eventos se recusam a entender que o trabalho que eles desenvolvem só têm estimulado todos esses casos de violência, e fomentam o que podemos notar principalmente hoje nas redes sociais, uma torcida jogando para a outra a culpa, enquanto os grandes responsáveis dão entrevistas mentirosas.

Durante os dias que antecederam o clássico, podemos ver de perto se desenhar um cenário que não parecia coerente, o cercamento da ponta do Parque Marinha do Brasil, ponto de encontro tradicional da torcida Colorada antes dos jogos. Desta forma, a própria direção do Internacional em conjunto com os órgãos responsáveis pela segurança, impossibilitaram o uso de uma grande área do parque, forçando os torcedores a procurarem outros locais, muitas vezes mais isolados, não fazendo o mínimo sentido pro isolamento controlado que se precisa para os dias de clássico.

Este mesmo espaço que foi isolado poderia ter sido utilizado para o desembarque das caravanas que vêm de outras cidades, evitando que elas se concentrassem na Edvaldo Pereira Paiva, justamente por onde a Brigada Militar resolveu passar com o ônibus do rival, enquanto um enorme contigente de policiais fiscalizava churrascos, um enorme erro (?) de logística. As constantes mudanças e inconsistência desse trabalho de segurança ao redor do estádio causam confusão nos torcedores, não sabendo por onde chegar, onde estacionar, onde desembarcar suas caravanas e até mesmo onde pode botar uma churrasqueira, falta comunicação da direção do Internacional com seus torcedores , assim como força de vontade para exigir da Brigada Militar e do Ministério Público um melhor tratamento para sua torcida.

Qualquer trabalho que busque mudança real na segurança dos clássicos precisa OBRIGATORIAMENTE passar pela discussão e revisão do trabalho da Brigada Militar, os abusos cometidos durante as escoltas são conhecidos dos dois lados, a violência teve incontáveis vítimas também dos dois lados, não é por falta de imagem ou tragédias, pois já vimos, por exemplo, brigadiano dando cacetadas em torcedores enquanto o ônibus passava, torcedor perder a visão com tiro de borracha, e chegando ao limite de assassinar um torcedor de 16 anos com dois tiros em 2015.

As direções precisam cuidar dos seus torcedores (viu Barcellos?), e parte desse dever passa por fiscalizar os trabalhos do Ministério Público e da Brigada Militar, assim como desenvolver debates com todos os atores dos jogos de futebol. Já nós torcedores não podemos cair em armadilhas que só levarão ao fim das torcidas visitantes nos clássicos e também à perseguição de nossas torcidas“.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Guarda Popular (@popularoficial)

Guarda Popular sugere debate amplo e critica polícia em meio ao crescimento da violência no futebolTorcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes.