Brasileira é presa nos Estados Unidos por ter participado de invasão do Capitólio


A brasileira Leticia Vilhena Ferreira foi presa na última quarta-feira (16) em Illinois, nos Estados Unidos, por ter participado da invasão do Capitólio, sede do Congresso do país, em 6 de janeiro de 2021.

De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, duas queixas foram apresentadas contra a brasileira: entrar ou permanecer conscientemente em qualquer edifício restrito sem motivos ou autoridade legal; e entrada violenta e conduta desordeira no terreno do Capitólio.

O relatório da investigação mostra que uma testemunha, que teria conhecido Ferreira durante o protesto, entregou um vídeo ao FBI que teria sido compartilhado a ela pela brasileira, repassando também às autoridades seu número de telefone.

Assim, os investigadores descobriram os dados de Leticia e seu paradeiro. Em 2 de abril de 2021, agentes do FBI interrogaram Ferreira em sua casa, em Indian Head Park, Illinois. Na ocasião, ela informou às autoridades que viajou sozinha para Washington no dia 5 de janeiro do mesmo ano, tendo voltado para casa dois dias depois.

A brasileira também disse que tinha visto para trabalho, não estando apta, portanto, a votar. Mesmo assim, quis viajar para a capital dos EUA para ver o então presidente, Donald Trump, discursar.

Ainda de acordo com a investigação, ela afirmou não ter conseguido ouvir ou ver Trump de onde estava, seguindo, então, a multidão até o Capitólio e entrando no edificío, tendo permanecido lá por cerca de 20 minutos.

Nesse período, a brasileira tirou fotos e fez vídeos, o que serviu como confirmação adicional para as autoridades de que ela esteve presente na invasão.

Os investigadores conseguiram, então, localizar Ferreira em vídeos feitos pelas câmeras de segurança do Capitólio, com roupas que correspondiam à descrição que ela forneceu durante o interrogatório.

O relatório afirma ainda que ela foi identificada em vídeos feitos por outros invasores. Em um deles, há um momento de confronto com a polícia do Capitólio, mas “Ferreira não parece ter participado de nenhum ataque aos oficiais”.

A brasileira Letícia Ferreira foi identificada nas imagens das câmeras de segurança do Capitólio / Reprodução/Departamento de Justiça dos EUA

Em 26 de agosto de 2021, foi autorizada busca no telefone da brasileira. Além de verificar onde ela esteve no dia da invasão, os investigadores conseguiram resgistros de uma conversa com outra pessoa, em que Ferreira afirmava ter estado no Capitólio em 6 de janeiro.

“Você acha que eles irão atrás das pessoas que entraram na área do Capitólio?”, pergunta a brasileira. “Não fique triste. Esteja preparada”, responde a outra pessoa. “Eu fui tão irresponsável por andar lá”, diz Letícia.

As queixas contra Leticia Ferreira foram apresentadas em 14 de fevereiro de 2022. Dois dias depois, em 16 de fevereiro, ela foi presa em Indian Park Head, Illinois.

Relembre a invasão do Capitólio dos Estados Unidos

Durante a sessão conjunta do Congresso que confirmaria a vitória de Joe Biden nas Eleições Presidenciais de 2020, em 6 de janeiro de 2021, centenas de apoiadores do então presidente, Donald Trump, marcharam para o prédio após meses alegando fraude nas votações, o que nunca foi comprovado e, pelo contrário, foi desmentido pelas principais autoridades dos EUA.

No ataque, os agressores conseguiram superar momentaneamente a segurança do local, entrando no Capitólio, destruindo diversos objetos – muitos com significado histórico – e ameaçando de morte os congressistas.

O vice-presidente à época, Mike Pence, que comandava a sessão, membros do Congresso e jornalistas tiveram que se retirar às pressas, enquanto uma multidão escalava as escadarias do prédio e invadia os salões principais. A audiência foi retomada apenas nas primeiras horas do dia 7 de janeiro, confirmando a vitória de Biden.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Brasileira é presa nos Estados Unidos por ter participado de invasão do Capitólio no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.