Bactérias formam biocomputador paralelo


A bactéria Escherichia coli vive no intestino humano e normalmente não causa problemas (embora determinadas cepas possam provocar intoxicação se contaminarem alimentos). Ela também é capaz de resolver um problema de lógica. Foi o que mostrou uma experiência realizada por cientistas indianos (1), que criaram 16 labirintos – o caminho para sair de cada um deles, caso existisse, foi representado por uma combinação de quatro substâncias químicas.

Em seguida, a E. coli foi geneticamente modificada para reagir a esses compostos e misturada a eles dentro de tubos de ensaio. 48 horas depois, as bactérias haviam descoberto a combinação correta para resolver todos os labirintos – e também detectaram os casos em que eles (propositalmente) não tinham saída. A ideia é que, um dia, essa técnica possa ser usada para construir computadores biológicos.

Fonte 1. Distributed Computing with Engineered Bacteria and Its Application in Solving Chemically Generated 2 × 2 Maze Problems. S Bagh e outros, 2021.

Compartilhe essa matéria via:

Continua após a publicidade


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.