Sem alternativa real de 3ª via, ala do União Brasil abre conversas com Bolsonaro


A dificuldade da chamada terceira via se consolidar como alternativa real na disputa pelo Palácio do Planalto fez com que uma ala do recém-criado União Brasil abrisse conversas com aliados do presidente Jair Bolsonaro.

As tratativas, ainda incipientes, são tidas como uma forma de equacionar disputas regionais e também distensionar o ambiente dentro da nova sigla com os deputados bolsonaristas do antigo PSL.

O pano de fundo dessa costura passa pela avaliação de que, formado pela junção de dois partidos mais alinhados à direita, DEM e PSL, o União Brasil não teria condições de estar ao lado do PT na disputa nacional.

De acordo com relatos feitos à CNN, as conversas também podem envolver a retirada de candidaturas de ministros e aliados em Estados considerados chave para o União Brasil. O gesto mais enfático em nome de um grande acordo nacional poderia ser feito na Bahia, onde o ministro João Roma (Republicanos) é pré-candidato ao governo.

Hoje, embora as pesquisas locais não apontem para um cenário que fuja da polarização entre ACM Neto e Jaques Wagner (PT), aliados do presidente têm trabalhado com a tese de que a saída de Roma da disputa poderia abrir espaço para que o União Brasil conquistasse o governo da Bahia no primeiro turno com mais facilidade.

Em entrevista ao jornal ‘O Globo’, o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), afirmou que “se dependesse de nós haveria ali uma composição com o ACM Neto, até porque, entre as opções na Bahia, é o que está menos distante de Bolsonaro”.

Roma, que por anos foi aliado de primeira hora de Neto, passou a ser tratado como adversário quando aceitou o posto no governo Bolsonaro.

Agora, no entanto, tanto aliados do presidente quanto uma ala do União Brasil acreditam que há espaço para uma recomposição. O gesto ao União Brasil também passaria pelo Estado de Goiás, onde o deputado estadual Major Vitor Hugo tem se colocado como pré-candidato ao governo, na disputa com o atual governador Ronaldo Caiado.

O movimento, no entanto, não é consenso dentro do União Brasil. Para uma ala importante do partido, uma aliança com Bolsonaro é tratada como impossível. À CNN, integrantes do novo partido disseram que as medições internas mostram que tanto para ACM Neto, na Bahia, como para Ronaldo Caiado, em Goiás, uma associação a Bolsonaro não traz ganhos eleitorais.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Sem alternativa real de 3ª via, ala do União Brasil abre conversas com Bolsonaro no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.