Reino Unido: otimismo de Boris Johnson com dados do PIB esconde dura realidade


O primeiro-ministro Boris Johnson gosta de dizer que o Reino Unido tem a economia que mais cresce entre os países do G7.

O primeiro-ministro pode apoiar sua afirmação com dados publicados pelo Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS) da Grã-Bretanha nesta sexta-feira (11), que mostraram que o Reino Unido teve a economia de crescimento mais rápido do G7 no ano passado como um todo.

O produto interno bruto do Reino Unido – a medida mais ampla da atividade econômica – cresceu 7,5% à medida que a economia se recuperava com a suspensão de restrições ao coronavírus.

Mas esses números não contam toda a história. Os números de crescimento estão impulsionados porque o Reino Unido sofreu a recessão mais profunda de qualquer grande economia desenvolvida em 2020 e teve seu pior desempenho desde 1921, fornecendo uma base mais baixa para comparação subsequente.

A ostentação de Johnson também não reflete o que aconteceu nos últimos três meses do ano passado. O PIB do Reino Unido cresceu 1% no quarto trimestre, de acordo com dados do ONS publicados nesta sexta. Ou seja, ficou atrás dos Estados Unidos (1,7%) e do Canadá (1,6%), ambos do G7.

Mesmo essas estatísticas obscurecem uma verdade maior: o Reino Unido está se aproximando da pior crise de custo de vida em 30 anos, o Banco da Inglaterra espera que o desemprego aumente no próximo ano e o crescimento seja “reprimido”, os impostos estão subindo e os controles de importação do Brexit podem prejudicar o comércio exterior.

Os indicadores econômicos de curto prazo também têm sido excepcionalmente voláteis, refletindo a natureza de paralisação dos negócios, à medida que as restrições do coronavírus vêm e vão. Uma maneira melhor de medir o desempenho é comparar a produção econômica atual com os níveis anteriores à chegada da pandemia.

Aqui, o Reino Unido está definhando perto do meio do ranking do G7.

No quarto trimestre de 2021, a economia do Reino Unido ainda era 0,4% menor do que antes da pandemia, segundo o ONS. Na mesma medida, a economia norte-americana cresceu 3,1%, enquanto a França e o Canadá cresceram 0,9% e 0,2%, respectivamente.

As economias alemã e italiana ainda não atingiram seu tamanho pré-pandemia, e dados comparáveis ​​para o Japão ainda não estão disponíveis.

Johnson pode repetir sua alegação do G7 sem ser repreendido pelos verificadores de fatos. Mas é menos provável que caia bem com o povo britânico, cuja renda média disponível após impostos deve cair 2% este ano.

A inflação no Reino Unido atingiu 5,4% em dezembro, a taxa mais alta desde 1992, de acordo com estatísticas oficiais divulgadas no mês passado. Os salários avançaram a uma taxa anual de apenas 3,8% em dezembro, diminuindo o poder aquisitivo.

Os britânicos já estão sentindo os custos crescentes. Cerca de 85% das pessoas notaram um aumento nos custos dos mantimentos, de acordo com uma pesquisa de janeiro realizada pela YouGov. Cerca de 35% dizem que seus custos de moradia, incluindo aluguel e hipotecas, aumentaram. Quase 75% notaram preços de combustível mais altos.

Mas a crise do custo de vida está prestes a ficar muito pior: o Banco da Inglaterra espera que a inflação suba mais nos próximos meses e atinja um pico de 7,25% em abril.

No início de fevereiro, o banco central elevou as taxas de juros pela segunda vez em três meses, em um esforço para conter o aumento dos preços, o que elevou a pressão sobre os proprietários de imóveis com hipotecas de taxa variável. Mais altas das taxas de juros são esperadas ainda este ano.

“Estamos enfrentando um aperto na renda real este ano”, disse o chefe do banco central, Andrew Bailey, a repórteres na semana passada. “É necessário que aumentemos os juros, porque, se não o fizermos, achamos que os efeitos serão ainda piores.”

As contas de energia aumentarão ainda mais em abril, quando os reguladores aumentarem em 54% o limite de quanto os consumidores podem ser cobrados para aquecer e iluminar suas casas.

A mudança significa que o consumidor típico verá suas contas de energia aumentarem em £ 693 (R$ 4.932) para £ 1.971 (R$ 14.028) por ano. Parte disso será compensada por um corte nos impostos locais e um desconto que terá de ser reembolsado ao longo de 5 anos.

A Joseph Rowntree Foundation disse que algumas famílias de baixa renda enfrentariam contas anuais de até £ 2.326 (R$ 16.555) a partir de abril, enquanto a Resolution Foundation alertou que o número de famílias em “estresse de combustível” – aquelas que gastam mais de 10% da família orçamento em energia — dobraria para 5 milhões.

Outras políticas governamentais estão aumentando a carga sobre as famílias.

Johnson está avançando com os planos de aumentar o imposto sobre a folha de pagamento do Seguro Nacional em abril para financiar saúde e assistência social. O aumento deve ajudar os idosos, mas o imposto é regressivo, o que significa que os que ganham mais pagam uma taxa marginal mais baixa do que os pobres.

E no início de outubro, o governo cortou o Crédito Universal – um benefício reivindicado por aqueles desempregados ou com baixa renda – de volta ao seu nível pré-pandemia. Mais de 5,8 milhões de pessoas perderam £ 20 (R$ 142) por semana, embora o governo mais tarde tenha aumentado a renda de algumas pessoas que trabalham e recebem o benefício.

Mais um grande risco econômico se aproxima. O governo ainda não implementou totalmente as verificações de fronteira necessárias como resultado do Brexit, e há dúvidas consideráveis sobre se os preparativos estão no caminho certo, apesar de três atrasos anteriores.

O influente Comitê de Contas Públicas do Parlamento do Reino Unido disse esta semana que “ainda há muito a ser feito para introduzir controles de importação”. O grupo comercial Logistics UK ecoou essa avaliação, alertando que atrasos na fronteira podem causar um backup de caminhões que se estenderia por 44 quilômetros.

Em conjunto, a combinação de custos crescentes, impostos e riscos para o comércio deixa o primeiro-ministro com poucas razões para se gabar do estado da economia do Reino Unido.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Reino Unido: otimismo de Boris Johnson com dados do PIB esconde dura realidade no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.