França anuncia planos para construir até 14 reatores nucleares


A França anunciou planos para construir até 14 novos reatores nucleares em um movimento que pode ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa e fornecer uma proteção para frear a volatilidade dos preços da energia do país.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse na quinta-feira (10), que a França construirá seis reatores nucleares e estudará a possibilidade de comissionar mais oito.

“Dadas as necessidades de eletricidade, a necessidade de antecipar a transição e o fim da frota de veículos existente, que não pode ser estendida indefinidamente, vamos lançar um programa de novos reatores nucleares”, disse Macron.

A construção deve começar em 2028 e o primeiro novo reator poderá ser comissionado até 2035. A investida mais profunda na energia nuclear marca uma guinada de política para Macron, que prometeu há quatro anos fechar 12 reatores nucleares como parte de um afastamento da energia nuclear.

A França foi forçada a recorrer à energia do carvão neste inverno para atender às suas necessidades depois que mais de um quinto dos reatores do território ficaram inoperantes. O país não foi o único da Europa a enfrentar dificuldades neste inverno, já que os preços do gás no atacado atingiram níveis recordes, elevando as contas de aquecimento para as residências em todo o continente.

Consumidores com dificuldades financeiras receberam pagamentos e subsídios do governo francês para ajudar a custear os gastos.

Barbara Pompili, ministra de Transição Energética da França, disse que a mudança na política nuclear é necessária devido a uma “aceleração” da situação energética “sem precedentes”. “Para ter mais eletricidade, precisamos produzir mais”, disse Pompili à BFMTV, afiliada da CNN.

“Mesmo que desenvolvamos muito nossas energias renováveis, temos um setor nuclear que constitui 70% do nosso fornecimento de eletricidade, temos que usar esse setor o máximo possível”, acrescentou Pompili.

Preocupações climáticas

A energia nuclear é uma fonte de energia de baixo carbono. No entanto, as usinas nucleares são mais caras para serem construídas, e a construção tende a ultrapassar o orçamento e o tempo previstos. O armazenamento com segurança dos resíduos radioativos produzidos é outro desafio.

Apesar dessas limitações, alguns analistas argumentam que a tecnologia tem um grande papel a desempenhar na abordagem das mudanças climáticas.

A Agência Internacional de Energia (AIE) diz que a geração de energia nuclear deve mais que dobrar entre 2020 e 2050 na busca por zerar emissões de gases poluentes. Sua participação no mix de eletricidade cairá, mas isso ocorre porque a demanda por energia aumentará à medida que o mundo eletrificar o maior número possível de máquinas, incluindo carros e outros veículos.

A Comissão Europeia foi criticada no início deste mês quando apresentou uma proposta para designar fontes de energia “sustentáveis” de gás natural e energia nuclear.

A inclusão das fontes de energia na lista verde da UE poderia desencadear uma onda de investimentos privados em novos projetos nucleares e de gás. Mas os planos são criticados por ativistas e ainda podem ser bloqueados pelos legisladores europeus, que também estão profundamente divididos sobre a questão em níveis nacionais e políticas.

A União Europeia (UE) tem como objetivo reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 55% em relação aos níveis de 1990 até 2030 e se tornar uma economia de emissão zero até 2050. O zero líquido é onde as emissões são drasticamente reduzidas e as que permanecem são compensadas, seja usando métodos naturais como plantio de árvores ou tecnologia para “capturar” as emissões.

Este conteúdo foi originalmente publicado em França anuncia planos para construir até 14 reatores nucleares no site CNN Brasil.