Contra inflação nos EUA, Fed pode recorrer a ferramenta que não usa desde 2000


A inflação em alta está aumentando a pressão sobre o Federal Reserve para tomar medidas drásticas para controlar os preços.

James Bullard, presidente do St. Louis Federal Reserve Bank, disse à Bloomberg News na última quinta-feira (11) que se tornou “dramaticamente” mais agressivo e agora apoia o aumento das taxas de juros em 1 ponto percentual completo até 1º de julho.

Dado que há apenas três reuniões do Fed antes da decisão precisar ser tomada, o banco central americano teria que aumentar as taxas de juros em 0,5 ponto percentual em uma única reunião, em vez de executar movimentos mais típicos de 0,25 de ponto percentual. O Fed não executa um aumento de taxa de 0,5 ponto desde 2000.

Os investidores agora estão precificando uma chance de 99% de que o Fed aumente as taxas de juros em 50 pontos-base em março, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group, ante apenas 24% na quarta-feira.

Na verdade, os mercados agora estão precificando uma chance muito pequena de um aumento de 0,75 de ponto percentual em março.

A mudança ocorre depois que um novo relatório mostrou que os preços ao consumidor subiram 7,5% em janeiro, o ganho mais rápido em 12 meses desde 1982. Além disso, a inflação acelerou inesperadamente mês a mês.

“Os riscos estão crescendo para uma alta de 50 pontos básicos”, disse Alexander Lin, economista americano do Bank of America, à CNN Business na quinta-feira.

Nada disso vai bem com o mercado de ações. O DowJones caiu 425 pontos, ou 1,2%, na quinta-feira, atingindo as mínimas da sessão após os comentários de Bullard.

O fato de que investidores, funcionários do Fed e bancos de Wall Street estão contemplando um aumento tão agressivo das taxas é revelador. Apenas alguns meses atrás, o debate era se o Fed aumentaria as taxas duas ou três vezes este ano.

Agora, há uma sensação crescente de que apenas março representará um aumento duplo.

Peter Boockvar, diretor de investimentos do Bleakley Advisory Group, disse à CNN que seria “estranho” ter os preços ao consumidor subindo 7,5% e a resposta inicial do Fed seria apenas um pequeno aumento nas taxas.

“Se você quiser recuperar o controle de sua credibilidade e reputação, deve estar mais inclinado a levantar 50 do que 25”, disse Boockvar. O Bank of America vinha pedindo sete aumentos de juros este ano, o que implicava em um movimento de 0,25 ponto percentual em cada reunião a partir de março.

Mas após o sombrio relatório de inflação de quinta-feira, Lin disse que uma medida mais agressiva pode ser necessária para manter a inflação sob sigilo.

“O objetivo é projetar um pouso suave na economia”, disse Lin. “Isso significa empurrar a economia para trás apenas o suficiente para obter o crescimento abaixo de onde eles pensam que a tendência é.”

Ao mesmo tempo, o Fed quer evitar aumentar as taxas de juros de forma tão agressiva que entre em pânico os investidores agora acostumados a taxas baixíssimas.

“O Fed não quer surpreender os mercados”, disse Lin. “O Fed gosta que as coisas sejam totalmente precificadas.”

Este conteúdo foi originalmente publicado em Contra inflação nos EUA, Fed pode recorrer a ferramenta que não usa desde 2000 no site CNN Brasil.