Cientistas descobrem mais um asteroide orbitando a Terra


Nosso planeta tem um vigia celeste orbitando o caminho ao redor do Sol, e é apenas o segundo asteroide troiano da Terra já descoberto.

Um estudo detalhando a descoberta do asteroide troiano da Terra foi publicado na revista Nature Communications. Pesquisadores observaram o objeto, chamado 2020 XL5, usando o telescópio Southern Astrophysical Research no (SOAR), no Chile.

“Os Trojans são objetos que compartilham uma órbita com um planeta, agrupados em torno de uma das duas áreas especiais gravitacionalmente equilibradas ao longo da órbita do planeta, conhecidas como pontos de Lagrange”, disse o coautor do estudo Cesar Briceño, cientista do telescópio SOAR no Observatório Interamericano Cerro Tololo, em um comunicado.

Os pontos de Lagrange são regiões do espaço onde a atração gravitacional do Sol e de um dos planetas é equilibrada, disse o principal autor do estudo, Toni Santana-Ros, pesquisador da Universidade de Alicante e do Instituto de Ciências do Cosmos da Universidade de Barcelona.

A órbita estável dos asteroides de Troia da Terra os torna ideal para sobrevoos de futuras missões espaciais.

Ilustração mostra os cinco pontos de Lagrange para o sistema Terra-Sol. O asteroide recém-descoberto está na órbita L4. / Reprodução / J. da Silva/Noir Lab/NSF/Aura/SPA

“Se formos capazes de descobrir mais troianos terrestres, e se alguns deles puderem ter órbitas com inclinações mais baixas, eles podem se tornar mais baratos de alcançar do que a nossa Lua”, disse Briceño. “Assim, eles podem se tornar bases ideais para uma exploração avançada do Sistema Solar, ou podem até ser uma fonte de recursos.”

Asteroides troianos, que levam o nome da mitologia grega, foram encontrados orbitando o Sol ao longo do mesmo caminho que planetas como Júpiter, Vênus, Marte, Urano e Netuno.

Júpiter tem mais de cinco mil asteroides troianos conhecidos que correm à frente e atrás do planeta gigante. A recém-lançada missão Lucy da Nasa será a primeira a explorar alguns dos troianos de Júpiter em sua ambiciosa jornada de 12 anos.

Este também é o maior dos dois asteroides da Troia da Terra até agora, medindo cerca de 1,2 quilômetro de diâmetro. O primeiro, 2010 TK7, foi encontrado há mais de uma década e é cerca de três vezes menor.

Os astrônomos avistaram inicialmente o asteroide Trojan recém-descoberto em 12 de dezembro de 2020, usando o telescópio de pesquisa Pan-STARRS 1 no Havaí e seguiram com observações de outros telescópios.

Num primeiro momento, eles pensaram que se tratava apenas de um corpo próximo da Terra cruzando a órbita do nosso planeta, mas os dados do SOAR foram comparados com observações anteriores capturadas pelo Telescópio de quatro metros Víctor M. Blanco no Chile, entre 2012 e 2019.

Quase uma década de dados ajudou os cientistas a refinar a órbita do objeto para confirmar que é um asteroide troiano.

A rocha espacial manterá sua órbita atual pelos próximos quatro mil anos antes que a gravidade provavelmente a envie em uma jornada pelo espaço ou em uma órbita altamente elíptica ao redor do Sol.

Os pesquisadores também determinaram que é um asteroide do tipo C que contém muito carbono, tornando-o o tipo mais comum de asteroide encontrado em nosso Sistema Solar.

É possível que este objeto tenha se originado do principal cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter, mas foi expulso devido à enorme influência gravitacional de Júpiter. Mas são necessárias mais pesquisas para determinar a origem desse corpo.

Desafios de descoberta

Os cientistas acreditam que provavelmente há muito mais asteroides da Troia da Terra para descobrir, mas eles são incrivelmente difíceis de detectar.

Os asteroides troianos estão em órbitas que os colocam na frente ou atrás de um planeta enquanto ele orbita o Sol, e aparecem perto da nossa estrela em nosso céu se os observarmos da Terra.

Observações de asteroides troianos só podem ser realizadas muito perto do nascer ou do pôr do sol com telescópios apontados para perto do horizonte.

Essa configuração significa que os telescópios precisam espiar através da parte mais espessa da atmosfera da Terra. O telescópio SOAR foi capaz de apontar 16º acima do horizonte.

Este gráfico mostra onde o 2020 XL5 apareceria no céu de Cerro Pachón, no Chile. / Reprodução / J. da Silva/Noir Lab/NSF/Aura/SPA

“Estas foram observações muito desafiadoras, exigindo que o telescópio rastreasse corretamente seu limite de elevação mais baixo, já que o objeto estava muito baixo no horizonte oeste ao amanhecer”, disse Briceño.

À medida que mais e mais constelações de satélites são lançadas, isso pode impactar os astrônomos que tentam observar objetos logo acima do horizonte.

Encontrar mais asteroides troianos da Terra pode abrir caminho para as pesquisas sobre os primeiros dias do nosso Sistema Solar.

“Os asteroides são cápsulas do tempo dos primeiros dias do nosso Sistema Solar e podem nos ensinar muito sobre a era da formação planetária”, disse Santana-Ros.

“Os troianos terrestres são particularmente interessantes, pois podem ser restos de material da formação da Terra. Encontrar um troiano terrestre feito de material remanescente da formação da Terra seria incrivelmente útil para desvendar muitos segredos do início do Sistema Solar.”

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em Cientistas descobrem mais um asteroide orbitando a Terra no site CNN Brasil.