Alguns aprendizados de astronautas após irem ao espaço


“É apenas um pulo para a esquerda e depois um passo para a direita.” A música cativante de “The Rocky Horror Picture Show” pode muito bem ter sido nossa trilha sonora nos últimos dois anos. Desde a chegada da pandemia, parecia um pouco como viver em uma distorção do tempo, onde os dias desaparecem em meses.

Os astronautas também experimentam essa sensação de distorção do tempo. Para nós na Terra, ajustar-se a um novo normal, como longos períodos de trabalho em casa e interrupções em rotinas bem estabelecidas, criou uma sensação de que o tempo não tem significado.

Os astronautas experimentam um tipo diferente de distorção do tempo quando viajam para o espaço e passam seis meses ou mais vivendo na Estação Espacial Internacional (ISS). Da perspectiva de sua órbita terrestre baixa, a tripulação testemunha 16 amanheceres e 16 pores do sol por dia.

Os dias de trabalho de 12 horas dos astronautas estão programados para incrementos de cinco minutos enquanto eles trabalham em experimentos, mantêm a estação espacial e realizam manutenção e limpeza de rotina.

O conselho que a astronauta da Nasa Christina Koch compartilhou recentemente com o Dr. Sanjay Gupta em seu podcast na CNN foi o seguinte: crie marcos para si mesmo que ajudem a marcar a passagem do tempo. Para Koch, que passou um recorde de 328 dias no espaço, isso inclui caminhadas espaciais e celebração do Natal entre as estrelas.

Este ano já foi recheado de momentos memoráveis ​​e descobertas surpreendentes. Somente nesta semana, o Telescópio Espacial James Webb alcançou seu destino final a um milhão de milhas da Terra, e os astrônomos avistaram um antigo estágio de foguete SpaceX em rota de colisão com a lua.

O astronauta da Agência Espacial Europeia, Thomas Pesquet, acredita que “se pudermos fazer uma estação espacial voar, podemos salvar o planeta“.

Pesquet, que retornou recentemente de sua segunda viagem à Estação Espacial Internacional em novembro, tinha uma perspectiva única de nosso mundo como “a bola azul que chamamos de lar”.

Ele disse que os efeitos das mudanças climáticas na Terra são cada vez mais visíveis do espaço e mostram uma diferença marcante desde sua última visita à estação espacial em 2016: recuo das geleiras, poluição e eventos climáticos extremos.

Mas Pesquet, Embaixador da Boa Vontade da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, acredita que as lições de conservação de recursos aprendidas no ambiente espacial podem ser aplicadas na Terra.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Alguns aprendizados de astronautas após irem ao espaço no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.