Lambança de Emerson, azar de Coutinho: como foram os testes de Tite


O Brasil já garantiu a vaga na próxima Copa do Mundo e está a poucos pontos de cravar a primeira posição nas Eliminatórias. Entre os convocados por Tite com frequência, grande maioria já tem o “passaporte carimbado” para o Catar e poucas vagas no grupo estão em aberto. Sonhando com a participação no Mundial, o lateral-direito Emerson Royal, o meia Philipe Coutinho e os atacantes Vinicius Júnior e Matheus Cunha atuaram no empate com o Equador por 1 a 1, em Quito, e nenhum deles brilhou. 

Assine #PLACAR digital no app por apenas R$ 6,90/mês. Não perca!

Desde o início da partida disputada na altitude equatoriana, a dureza do jogo foi um empecilho para que os atletas pudessem ter espaço. Quem menos aproveitou a chance foi Emerson Royal. 

O jogador do Tottenham exagerou logo no primeiro minuto e recebeu um cartão amarelo ao atingir o braço no rosto do adversário. Pouco depois, Emerson voltou a se equivocar, ao dividir forte logo após a expulsão do goleiro equatoriano Alexander Domínguez. O árbitro Wilmar Roldan não teve dúvidas e sacou o segundo cartão amarelo e consequente vermelho para o brasileiro.

Após o jogo, o treinador Tite confidenciou uma conversa com o lateral-direito, sugerindo que a expulsão não prejudicará o futuro do atleta no time: “Eu falei com o Emerson no vestiário. Existem situações que são de aprendizado. Ele errou, ele sabe, eu disse isso a ele. Mas não sou técnico que corta a cabeça e entrega na bandeja. Ele vai continuar, vai aprender e evoluir.”

Continua após a publicidade

Sobrou, então, para Philippe Coutinho, substituído para a entrada de Daniel Alves, para recompor a defesa. Ao menos, o meia recém-contratado pelo Aston Villa teve tempo de participar do primeiro gol, ao levantar na área para Matheus Cunha cabecear; na sobra Casemiro abriu o placar. Ao deixar o campo, Coutinho recebeu um caloroso abraço de Tite, que lhe deu a chance da titularidade após uma lesão no joelho que o afastou dos campos por meses. Quanto à saída do meio-campista, o treinador da seleção brasileira explicou as motivações.

“Eu pedi desculpa ao Coutinho porque a necessidade era ter um jogador para 90 minutos. O Couto estava programado para 70 e com as expulsões seria um jogo aberto, com mais transições, que exigiria muito fisicamente. Preferi trazer o Matheus para a posição de meia.”

Prejudicado pelos muitos cartões e paralisações, o momento ofensivo do Brasil foi praticamente nulo. Desse modo, Matheus Cunha se destacou pela pressão sobre os adversários e sua movimentação, atuando como meia, após o Brasil ter um a menos em campo. O Atacante do Atlético de Madri ainda finalizou com perigo de fora da área, mas segue sem marcar pela seleção adulta. Foi sacado aos 33 do segundo tempo para a entrada de Gabriel Barbosa, do Flamengo.

Estrela do Real Madrid e em excelente fase, Vinicius Júnior, mais uma vez, não empolgou. Recebendo chance de titularidade com a lesão de Neymar e a suspensão de Lucas Paquetá, o ponta-esquerda partiu para cima dos marcadores, como de costume, mas sofreu com a falta de precisão, perdendo a bola diversas vezes. Não foi efetivo e saiu para a entrada de Gabriel Jesus, na metade da etapa final. Em suma, o jogo trouxe mais dúvidas do que soluções para Tite. Na seguinte rodada, o Brasil enfrenta o Paraguai, no Mineirão, na próxima terça-feira, 1º de fevereiro. 

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN!

Continua após a publicidade


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.