Kanye West, Julia Fox e mais dos desfiles de moda masculina da Paris Fashion Week


Mesmo em um mundo cada vez mais obcecado pelo metaverso, as semanas de moda que acontecem de forma física continuam sendo as referências das tendências que iremos vestir. Nos últimos dois anos, esses encontros oscilaram, em grande parte devido à Covid-19 e suas variantes, indo e voltando entre apresentações digitais, presenciais e “figitais”.

Apesar das reviravoltas, o fato é que não há uma vitrine mais poderosa do que esses eventos para nos mostrar o que está por vir em termos de estilo – e nem sempre são apenas sobre as roupas: as semanas de moda provocam discussões sobre identidade e autoapresentação, e como essas atitudes evolutivas se encaixam ou refletem na cultura popular.

A iteração mais recente da Paris Fashion Week, que revelou uma abundância de roupas masculinas para a temporada outono-inverno 2022, desmontou as antigas convenções de moda masculina no estabelecimento contínuo de um novo normal. Com ideias que muitas vezes eram desconstruídas de gênero ou misturadas, infundidas com surrealismo e outras razões desinibidas, os designers avançaram com uma agenda que parecia mais ampla – e mais corajosa – do que o habitual.

Leia aqui sobre os destaques de sete desfiles.

Agitação na primeira fila com a Kenzo

Pharrell Williams no desfile da Kenzo / Corbis via Getty Images

O designer e músico Nigo, que fundou a mundialmente reverenciada marca de streetwear A Bathing Ape, em 1993, apresentou sua primeira coleção para a marca Kenzo em frente à uma multidão animada, incluindo Kanye West vestido todo em jeans (ou Ye, como ele prefere) acompanhado de Julia Fox (Fox também usou um look jeans, da Schiaparelli). Pharrell Williams também foi visto, usando óculos Tiffany & Co. com aros de diamante.

A nomeação de Nigo foi ao acaso. A marca foi fundada pelo falecido Kenzo Takada, em 1970, ano em que Nigo nasceu. Os dois são do Japão e ambos estudaram no prestigioso Bunka Fashion College, de Tóquio. O primeiro desfile de Takada foi realizado na Galerie Vivienne de Paris, que é onde Nigo escolheu fazer também o dele.

Esse foi primeiro desfile do novo diretor artístico da Kenzo, Nigo / Getty Images

Embora as referências estilísticas ao ano de 1970 eram vistas na forma de bordados e remendos em boinas e jaquetas universitárias, havia uma tendência de moda na coleção, com uma infinidade de separações e um uso confiante do xadrez, estampas e cores. Peças sob medida e trabalhadas pareciam cortadas com silhueta sem gênero.

Grandes ideias na Loewe

Imagens lúdicas e pele nua foram componentes-chave do desfile da Loewe / Getty Images

Jonathan Anderson, da Loewe, é um pensador expansivo, adepto a canalizar noções díspares em designs de roupas que valem a pena.

Para o outono-inverno de 2022, Anderson trouxe um sobretudo enfeitado com luzes de Natal, micro-shorts jeans, um suéter com luvas acopladas e longos tentáculos de tecido saindo das pontas dos dedos e um agasalho com um buraco em forma de coração que expunha o mamilo esquerdo. Ele também apresentou um muumuu de tricô de um gato com um periquito na cabeça digno de virar meme. O designer disse à mídia que a coleção foi parcialmente inspirada no que vemos – dia após dia – nas telas de nossos celulares.

Momento final na Louis Vuitton

Destile da Louis Vuitton / Getty Images

A última coleção do falecido Virgil Abloh para a Louis Vuitton foi outro momento de destaque. A formação era fantástica e onírica, e brincava com as assinaturas e dicas que Abloh havia entrelaçado em seu trabalho na ao longo de seus três anos e meio antes de sua morte prematura no ano passado. Havia homens de saias, kits de renda usados como asas, chapéus com orelhas pontudas, inspiração do Mágico de Oz, bolsas coloridas de Keepall, ilustrações no estilo livro em quadrinhos e muito, muito mais (como era típico de Abloh, as ideias nunca pararam realmente).

O estilista e editor Ib Kamara, que liderou o desfile, disse à CNN que a equipe “queria mantê-lo onde [eles] pensavam que Virgil estava com [eles], mas levar até onde Virgil o levaria”.

Diversão de vanguarda em Rick Owens

Rick Owens adornou sua nova coleção com lâmpadas funcionais / Getty Images

Enquanto isso, Rick Owens, que há muito dança na fronteira mais vanguardista da moda, não decepcionou com sua coleção outono-inverno 2022.

Capacetes inspirados em artefatos egípcios antigos foram afixados com lâmpadas e capuzes tornaram-se coberturas faciais com zíper completas, com pequenos recortes para visibilidade. Uma camiseta sem mangas soletrava impetuosamente a palavra “urinol”.

Ao falar com a CNN na temporada passada, Owens disse: “O fato é que, durante toda a minha vida, tentei apresentar algo que fosse uma alternativa a uma estética muito rígida que vemos neste mundo. É esperado que sejamos adeptos a isso, mas eu tento borrar as linhas. E não de uma forma militante, mas de uma forma que está dizendo: ‘Eu proponho isso como uma alternativa aos padrões aos quais você está acostumado’”.

Dicas de Gaultier no Y/Project

O desfile da Y/Project apresentou uma variedade de estampas corporais da cabeça aos pés / Getty Images

O Y/Project de Glenn Martens, que se formou como arquiteto, tornou-se uma fonte de referência para roupas diárias com uma vantagem conceitual. Curiosamente nesta temporada, sua nova coleção apresentou uma série de estampas icônicas trompe l’oeil (ilusão visual em 3D) do lendário designer Jean Paul Gaultier – em um prelúdio para o que está por vir durante os desfiles de alta costura desta semana: foi anunciado no ano passado que Marten será diretor criativo convidado para apenas uma temporada para a marca Jean Paul Gaultier, como parte de uma nova estratégia de rotação de designers na qual Chitose Abe, da Sacai, assumiu as rédeas no verão passado, após Gaultier se aposentar.

Bluemarble

A coleção Bluemarble estava repleta de detalhes divertidos / WireImage

A Bluemarble – de Anthony Alvarez – sediou seu primeiro desfile nesta temporada. Alvarez cunhou sua marca após um apelido dado ao planeta Terra, que surgiu de uma fotografia tirada pela Apollo 17, em 1972. Misturando roupas esportivas americanas, savoir-faire europeu e toques artesanais filipinos, sua produção resultou em roupas descoladas, divertidas e de aparência aconchegante, como um par de calças jeans costuradas com tiras de tecido com lantejoulas brilhantes.

Dior

A última coleção de Kim Jones homenageou o fundador da Dior / Getty Images

Na Dior Men, o diretor artístico Kim Jones trabalhou sob o espectro ostensivo do falecido Christian Dior para marcar o 75º aniversário da marca. No passado, Jones gerou significativa publicidade ao tocar colaboradores terceiros, como o artista Daniel Arsham e, na temporada passada, o rapper Travis Scott (esta coleção está suspensa indefinidamente, após os trágicos eventos na apresentação de Scott no Astroworld, em novembro de 2021).

A introspecção de Jones provou ser notável. O mais significativo foi sua versão da famosa jaqueta “Bar” da Dior, que foi lançada em 1947 – para as mulheres. Ele apresenta um corte e construção que adiciona sutis curvas de ampulheta à arquitetura da peça, e a ideia de Dior foi tão inovadora na época que gerou todo um apelido para sua obra criativa – o “New Look”. As versões masculinas de Jones apresentavam acabamentos trespassados com costuras superiores.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Kanye West, Julia Fox e mais dos desfiles de moda masculina da Paris Fashion Week no site CNN Brasil.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.