Astrônomos encontram duas novas super-Terras próximas do sistema solar


Um grupo de cinco exoplanetas recém-descobertos orbitando estrelas próximas foi revelado em um novo estudo. O achado inclui duas super-terras potencialmente habitáveis ​​que são candidatas perfeitas para estudar mais em nossa busca por vida fora do Sistema Solar.

(Créditos: Reprodução)

Os dois planetas são chamados GJ 180d e GJ 229Ac, com cerca de 7,5 e 7,9 vezes a massa da Terra. Esses mundos recém-encontrados estão a distâncias respectivas de 40 anos-luz e 19 anos-luz da Terra.

Ambos orbitam estrelas anãs vermelhas, o que, em geral, é pensado para não ser uma coisa boa para a vida potencial. Isso ocorre porque essas velhas estrelas no final de seu ciclo de vida tendem a ser bastante violentas, lançando em seus arredores muita radiação.

Isso não é necessariamente um desastre, dependendo da estrela – algumas são muito menos violentas que outras. Mas o outro grande problema é que as anãs vermelhas são um pouco mais frias que outras estrelas. Como resultado, sua zona de “Cachinhos Dourados” (onde as temperaturas são propícias à água líquida na superfície de um planeta) está localizada bem perto da estrela.

Por sua vez, isso significa que os planetas nessa zona são mais propensos ao bloqueio das marés, que significa onde um lado do planeta está sempre voltado para a estrela. Isso faz com que um lado fique muito quente e constantemente banhado em radiação estelar, enquanto o outro lado fique na escuridão.

O GJ 180d tem um período orbital de 106 dias, e a equipe acha que esse planeta em particular está longe o suficiente da estrela Gliese 180 para que não seja bloqueado pela maré.

“A GJ 180 d é a super-Terra temperada mais próxima de nós que não está presa à estrela, o que provavelmente aumenta a probabilidade de ser capaz de hospedar e sustentar a vida”, disse o astrônomo Fabo Feng, da Carnegie Institution for Science.

Enquanto isso, o GJ 229Ac tem um período orbital de 122 dias, mas sua estrela Gliese 229A é mais massiva que o Gliese 180, portanto, este mundo pode estar travado gravitacionalmente. No entanto, há algo mais interessante sobre a estrela: Gliese 229A está em um sistema binário com uma anã marrom, Gliese 229B.

Esses objetos são chamados de “estrelas fracassadas”, objetos grandes demais para serem um planeta, mas pequenos demais para fundir hidrogênio em seus núcleos. Dessa forma, GJ 229Ac é oficialmente a super-Terra temperada mais próxima de um sistema que inclui uma anã marrom, o que significa que é uma excelente candidata para estudar como os planetas se formam e evoluem nesses sistemas.

Os planetas foram descobertos usando uma abordagem indireta chamada método de velocidade radial. Embora possa não parecer, os planetas que orbitam uma estrela exercem uma influência gravitacional sobre ela, fazendo com que ela ‘balance’ levemente à medida que a massa do planeta a puxa.

Isso pode ser usado para inferir não apenas a presença de planetas, mas também calcular sua massa, período e distância orbital. Por sua vez, esses dados ajudam os astrônomos a inferir a composição e a temperatura dos referidos planetas.

Como esses sistemas em particular são tão próximos, os pesquisadores acreditam que a próxima geração de poderosos telescópios poderia finalmente nos dar imagens diretas desses planetas, nos dizendo ainda mais – como se o planeta tem uma atmosfera ou até água.

“Nossa descoberta aumenta a lista de planetas que podem ser potencialmente fotografados diretamente pela próxima geração de telescópios”, disse Feng. “Por fim, estamos trabalhando no objetivo de poder determinar se os planetas que orbitam estrelas próximas hospedam a vida”, concluiu.

Traduzido e adaptado de ScienceAlert
Por Michelle Starr

O post Astrônomos encontram duas novas super-Terras próximas do sistema solar apareceu primeiro em Mistérios do Espaço.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.